Cultura Esportes

Opções limitadas durante o verão

Fábio Becker Loppe

Embora a Vindima deva atrair 300 mil turistas, há falta de atividades para os bento-gonçalvenses no período

Como já se tornou tradição, a época da Vindima é esperada com muito entusiasmo pelos setores do comércio e turismo de Bento Gonçalves. Somente neste ano, a expectativa da Secretaria do Turismo é de que 300 mil visitantes passem pela cidade entre janeiro e março e desfrutem das paisagens de nosso interior e da culinária típica, ademais de uma programação com mais de 100 atividades.

Para além da festividade, no entanto, o cenário pode parecer mais desalentador, dando a impressão de que enquanto sobram eventos e meios de lazer aos turistas dispostos a conhecer o que para eles é novidade, falta a população bento-gonçalvense opções de lazer para desfrutar o período de férias e as horas a mais de sol proporcionadas pelo horário de verão.

Para elencar o que a cidade tem de melhor a oferecer em lazer, cultura e esporte para os cidadãos aproveitarem o período de férias e o verão, a reportagem do Semanário conversou com entidades e representantes dos mais distintos setores.

 

Eventos e cultura em “baixa temporada”

Embora com o horário de verão, dias de sol e período de férias para muitos, janeiro é visto como um mês de pouca movimentação no tocante aos eventos culturais, sendo que mesmo as atividades da Fundação da Casa das Artes entram em pausa, como explica o secretário da Cultura, Evandro Vinícius Manes Soares. “Há um consentimento de que o primeiro mês do ano é uma entressafra, ainda há muita gente fora da cidade. Na Casa das Artes há bem pouca coisa ou quase nada ocorrendo nesse período. Muitos organizadores evitam fazer algo nessa época, pela falta de público”, lamenta.

Acerca dos próximos eventos organizados ou apoiados pela Fundação Casa das Artes e pela Secretária da Cultura, Soares destaca dois que ocorrerão paralelamente no próximo domingo, 13. “Vamos ter a primeira edição do ‘Mercado de Rua’ do ano e, simultaneamente a esse evento, vai estar ocorrendo com o nosso apoio o show de lançamento do primeiro álbum da Banda Trebianno”.

Quanto a fevereiro, o secretário destaca, o “Ceva Music Festival” que conta com o apoio da Secretaria. O evento que ocorre no dia 10, marcará a despedida da banda Cachorro Grande, além de shows com outras bandas.

Cenário em mudança

Embora o número de atrações para os bento-gonçalvenses pareça limitado no começo do ano, Soares afirma que a Secretaria da Cultura busca alternativas para entreter a população. Ele aponta que um sinal de mudança pode ser observado, por exemplo, na troca do local da abertura da “Estação Vindima”, que ocorre no dia 18 deste mês, na praça Aquyles Mincarone, ao lado da igreja São Bento, na intenção de aproximar a festividades da comunidade. “Historicamente, não se fazia nada na cidade em janeiro, por isso que pensamos em fazer a inauguração na Rua Coberta. Queremos que não seja só um evento para os turistas, mas uma forma de fazer com os bento-gonçalvenses possam participar de forma mais marcante”, pontua.

 

 

 

 

Praças e áreas de lazer

Haras Recanto do Gaúcho também oferece passeios a cavalo (Foto: Divulgação)

Se as opções artísticas são limitadas na temporada, o tempo bom tem convidado o público a aproveitar espaços verdes e as praças da cidade. Uma, em especial, que tem atraído os bento-gonçalvenses é a do bairro Fátima, como comenta o presidente da associação do bairro, Edemar Banaseski. “Fim de semana e nas sextas no fim de tarde está sempre cheio de gente, vem pessoa até de outros bairros para dar uma volta”.

Para Banaseski, o sucesso da praça está na liberdade e na infraestrutura do espaço. “Eu mesmo costumava ir em locais como a Fenavinho e o Caminho de Pedras para assar minha carne, mas não deixam mais. Aqui as pessoas estacionam os carros embaixo das árvores, trazem cadeira de praia, carne, cerveja e ficam aproveitando o dia. Ainda tem a natureza e os bichos que animam as crianças”, comenta.
Além disso, outro fator enaltecido por Banaseski é a integração dos moradores em manter a praça sempre em bom estado. “Tudo foi feito pela associação e pelos vizinhos. A gente restaurou os banheiros, tiramos pedras, pintamos os bancos, restauramos as mesas. A prefeitura só forneceu os brinquedos do parquinho”, enumera.

Outro lugar que tem atraído, sobretudo famílias neste verão, é o Haras Recanto do Gaúcho, uma área verde com 3 hectares de trilhas, açudes, e vistas panorâmicas, localizada em Tuiuty, no Vale do Rio das Antas.

A ideia de criar o espaço, segundo Contini, surgiu ao acaso. “Eu viajava bastante para Rio de Janeiro e São Paulo, e o pessoal lá me dizia que quando vinham para Bento só tomavam vinho, mas não sabiam onde comer churrasco. Como eu já tinha esse espaço e cavalos, tive a ideia de oferecer passeios, café colonial e costelaço em fogo de chão”, conta.

Apesar de cobrar os passeios a cavalo e o churrasco, o espaço é gratuito, e abre nos fins de semana e nos feriados, das 9h às 19h, o haras conta com redes, pallets em pontos estratégicos de observação, e inúmeros animais de fazenda. “É um espaço feito para a família”, finaliza Contini.

Praça CEU oferece oficinas de esportes para jovens

Inscrições para dança urbana e judô abriram nesta semana (Foto: Reprodução)

Se encontrar atividades e locais de lazer é uma busca comum para os adultos e para as famílias que querem aproveitar o tempo bom e as horas a mais de sol proporcionadas pelo horário de verão, ter locais para se divertir neste período é ainda mais importante para as crianças, que se encontram em fase de férias escolares.

Foi pensando em ocupar esse tempo ocioso que a coordenadoria da Praça CEU, juntamente com o Administração Pública, resolveu adiantar a oferta de duas novas oficinas gratuitas para as crianças e adolescentes do município. Agora, além de futsal, basquete e vôlei que já vinham ocorrendo, desde essa semana o centro, que fica no bairro Ouro Verde, está oferecendo aulas de judô e dança urbana. “O pessoal se ofereceu voluntariamente para ficar dando oficina nesses dois primeiros meses. Era uma preocupação nossa e da Secretaria da Cultura proporcionar alguma coisa no período de férias, para a garotada não ficar na rua”, explica a coordenadora da Praça CEU, Patrícia Da Rold De Costa.

Segundo o Secretário da Cultura, Evandro Vinícius Manes Soares, já está em pauta a possibilidade da CEU ofertar ainda mais oficinas. “Estamos em conversa com a secretaria do Esporte para disponibilizar outras atividades como jiu-jitsu, por exemplo, além de uma ampla programação. A CEU será um exemplo nas áreas de esporte e cultura”, exalta.

Exceto pelo judô, todas as demais modalidades têm vagas ilimitadas. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (54) 3452.0003.

 

 

Sobre o autor

Fábio Becker Loppe

Fábio Becker Loppe

Deixe um comentário