Cultura

Exposição na Casa das Artes aborda formas, tons e percepções

Cleunice Pellenz
Escrito por Cleunice Pellenz

Exposição ‘Geometria Híbrida’, da artista Mozileide Neri, pode ser conferida até o dia 31 deste mês na Fundação Casa das Artes

Até o dia 31 de outubro, a comunidade bento-gonçalvense pode conferir, na Casa das Artes, as obras de Mozileide Neri, na exposição ‘Geometria Híbrida’. Ao todo, são doze xilogravuras sobre papel e três obras produzidas especialmente para a realização de experiência tátil de visitantes com ou sem deficiência visual.

Natural do Rio de Janeiro, a artista produz xilogravuras desde 2011, porém, em 2013 interrompeu a produção de novas xilos e retomou-as no início deste ano. Segundo ela, o relacionamento com o Rio Grande do Sul é de longa data e, estar em Bento Gonçalves é um grande prazer. “Tenho um carinho imenso por este estado e estou muito feliz por estar aqui”, comemora. O apreço pelo estado tem explicação. A estreia de Mozileide ocorreu em 2012, em Novo Hamburgo. Após isso, expôs em duas oportunidades em Montenegro, e ano passado esteve em Bagé. Também participou de uma coletiva em Canoas, com projetos diferentes. Ela comenta que está no circuito das artes desde 2012, por meio de editas de arte. “Neste momento, tenho quatro projetos expositivos percorrendo o Brasil. Um deles é aqui no município”, pontua.

Porém, não é só em solo gaúcho que ela recebe carinho e atenção. Em 2018 ela estreeou em cidades como Palmas, Rio Branco e Londrina. “Percorrer e conhecer o Brasil com a minha arte é uma alegra infinita. Sou formada em Produção Cultural e isso me ajuda muito”, frisa.

Um dos diferenciais dela é que suas obras podem ser vistas por diferentes pessoas, cada uma delas de seu jeito. “Minha intensão é que todos os públicos possam ler minhas obras, ter acesso a elas. Eu disponibilizei 3 obras táteis na exposição aqui em Bento, acho pouco, por isso minha ideia é criar mais obras acessíveis com xilogravura. Tenho um projeto em que todas as obras são táteis, são objetos multissetoriais, que estão sendo expostos no Sesc Acre”, explica.

Sobre suas obras serem em um formato ‘diferente’ do que somos acostumados, ela explica. “Fiz um curso de xilogravura pra entender mais outra técnica da gravura, a monotipia. Sou abstrata, e as minhas xilos geométricas foram sendo criadas em séries despretensiosas. Gostei tanto do resultado que resolvi expor e criar outras séries. As formas são híbridas, se desmontam e se conectam através do olhar do observador, ou seja, cada pessoa criará um desenho através de sua percepção”, aborda.

A exposição pode ser conferida das 8h às 11h45min e das 13h30min às 21h, no Salão Orlikowski da Casa das Artes.

Mozileide Neri

É poetisa, contista, cronista e artista plástica. Graduada em Produção Cultural e pós-graduada em Linguagens Artísticas, Cultura e Educação, ambos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. É editora e designer do periódico trimestral “Labirinto Literário”. Desde dezembro de 2012, Mozileide Neri participa de coletivas e individuais por todas as regiões brasileiras através de editais de arte. Atualmente a artista tem quatro projetos expositivos circulando por todo o país. Fora do Brasil, participou da coletiva “The Inner Eye” na Gallert Gold, em Kolkata (Índia), em 2013, participou da coletiva “Bienal Internacional de Pequeno Formato” da Associação Cultural Galeria e Museu Nabila Fluxus, em Vila Verdi (Itália), e, em 2018, participou da coletiva “Prendre Corps – Tomar corpo” no Centre Culturel Du Brasil, em Paris (FRA).

Sobre o autor

Cleunice Pellenz

Cleunice Pellenz

geral5@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário