Paulo Vicente Caleffi

Do partido e da pessoa

Sou candidato a candidato, ou pré-candidato, e estou aprendendo uma barbaridade. Até o final da campanha devo estar devidamente escolado para enfrentar esta tal de política, cheias de regras, mazelas e entremeios complicados.

Muitas pessoas falam comigo e depois da confirmação desta disposição em ser um futuro candidato algumas perguntam:

– “Por qual partido vais concorrer?”

Pensava que isto fosse pouco importante no momento atual em que partido se confunde com organização criminosa. Escolhi um partido que fosse de pessoas com ética e, principalmente, que matematicamente fosse o mais provável para eleger um novato.

Grandes partidos tem antigos políticos, tradicionais, nomes que já frequentam há muito os corredores da assembleia e do congresso, que possuem seus redutos, cabos eleitorais e conchavos. Se perpetuaram no poder e fecham as portas para entrantes.

Como exemplo tomem as discussões dos deputados e senadores sobre a tal reforma política que notoriamente visa a permanência deles próprios no poder. Diz o provérbio: “Se la fa i se la manha!”.
Nunca imaginei ver Lula (PT) abraçando o Maluf (PP) e aconteceu. Políticos de todos os partidos estão sendo denunciados nas investigações do Ministério Público e Polícia Federal e em Brasília se houve cantar: “se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão!”.

É por isto que gente nova tem que entrar na política para mudar o que está lá e que não presta para o povo brasileiro.

Não é o partido o que importa. São as pessoas que farão a diferença. Em todos os partidos tem pessoas boas e gente má. Importante é depurarmos para que o joio deixe trigo crescer.

Aqui em Bento a história se fez fruto do trabalho de pessoas e não pela ação de partidos políticos.
Nosso progresso é fruto do trabalho. Que a política não nos atrapalhe e política NÃO GERA RIQUEZA!
Precisamos de políticos competentes e honestos que permitam segurança econômica para os que trabalham e geram riqueza. E, para todos os brasileiros, o exemplo de cidadania está nas pessoas e não nos partidos políticos. A moral está no CPF e não no CNPJ.

Sobre o autor

Paulo Vicente Caleffi

Paulo Vicente Caleffi

Empresário e cronista do Jornal Semanário.
redacao@jornalsemanario.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário