Esportivo vai ter presidente
O Clube Esportivo deve ter um novo presidente sim e, provavelmente, não deve ser Marcelo Vignatti, o Palito. Um grupo de lideranças da cidade se reuniu e decidiu que chegou a hora de resgatar o Alviazul do ostracismo, colocando-o no lugar de onde ele nunca deveria ter saído.
A boa notícia, caso se confirme, deve ser anunciada após uma análise das contas do clube, o que acredito esteja em dia, conhecendo um pouco do trabalho realizado pelo presidente Luís Oselame. Este é o único empecilho para a divulgação da nova chapa.
Infelizmente não estou autorizado a dizer o nome do empresário, até porque ele não irá confirmar esta possibilidade nem por decreto. Porém, ele conta com o apoio de empresários que podem, muito bem, ajudar a reerguer o clube, não só financeiramente. Parece que, finalmente, bons ventos estão soprando para o lado do Esportivo.

Mudanças na Prefeitura
Nos próximos dias, deveremos ter mudanças em algumas secretarias da Prefeitura Municipal. O secretário de Desenvolvimento Econômico, Neri Mazzochin, pode deixar a pasta devido a sua mudança de partido (saiu do DEM e foi para o PMDB). O presidente do DEM, Adroaldo Dal Mas, deve indicar um novo nome para o cargo ao prefeito Guilherme Pasin até sexta-feira.
Porém, Mazzochin não deve deixar o governo Pasin. Ele está cotado para assumir a diretoria do Instituto de Planejamento Urbano (Ipurb). Isso porque o atual diretor, Luciano Cavallet, teria pedido demissão do cargo, após quase três anos comandando o órgão, alegando motivos particulares. Inicialmente, Cavallet teria acertado sua permanência até hoje, mas poderá ficar mais alguns dias até que o novo diretor seja empossado.
Estas seriam as primeiras mudanças de uma série que devem acontecer até março do ano que vem. É esperar para ver.

Rodovias da região
Hoje à tarde acontece um debate na Câmara de Vereadores para discutir a viabilidade de projetos para as rodovias da Serra Gaúcha, com a presença do superintendente do DAER, prefeitos e presidentes de entidades. O encontro tenta responder a pergunta que não quer calar: Por que a Serra, tão produtora e cheia de riquezas, não tem uma infraestrutura logística condizente com a sua grandeza?
Com certeza, ouviremos mais do mesmo. Lideranças políticas e empresariais reclamando da falta de condições das rodovias, do entrave da produção, etc, etc. O dirigente do DAER afirmando que o órgão não dispõe de recursos para fazer tais melhorias, blá, blá, blá. De prático, quase nada.
O que eu gostaria de saber é por quantos governos mais a Serra Gaúcha será enrolada e o problema das estradas não será resolvido? Porque o Crema-Serra não chega na região de Bento Gonçalves desde 2010? E, por fim, quando a ponte de Santa Bárbara servirá para alguma coisa e a ERS-431 será recuperada?

Dança das cadeiras
Como havia dito na coluna ainda em agosto, com o tópico “Quando setembro chegar”, a dança das cadeiras nos partidos começou. Só não acontece com vereadores porque a janela para mudanças vai acontecer somente no mês de março, adiando as mudanças. Mas não se surpreenda se algum dos vereadores do PT ir parar no PP, deixando de ser oposição para virar situação.
O ex-prefeito Aido Bertuol foi o primeiro nome mais vultuoso a mudar de partido, trocando o PMDB pelo PSDB. Aido jamais vai admitir publicamente, mas cogita, sim, a possibilidade de ser o vice de Guilherme Pasin em 2016.
Mas ainda acredito que a coligação PP-PMDB está muito longe de terminar. Mesmo com César Gabardo na presidência e com todos os prognósticos indicando uma negociação difícil, a única coisa que pode prejudicar a caminhada dos dois partidos juntos em 2016 será a indicação do nome do vice. Pergunta para refletir: estaria César Gabardo disposto a ser vice de Pasin, mesmo após ter sido demitido, em nome da coligação?