Andressa Borges

Seleciona-se clone

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

Dezembro é um mês mágico. É quando encontramos todo mundo para desejar um novo ano cheio de coisas boas, é quando presenteamos quem amamos, é quando nos reunimos em família, é quando vamos para a praia, é quando tiramos férias.

A cada final de ano também é um tanto de gente que enlouquece com as festas natalinas, com os brindes para os clientes, com as viagens. Algumas coisas nunca mudam, como o calendário, por exemplo. Natal é sempre dia 25 de dezembro, no 12° mês do ano. Podíamos planejar as coisas com o mínimo de antecedência?
No mês de novembro as pessoas reclamam que o mês é comprido e só vivem pelo dia da primeira parcela do décimo terceiro. Em novembro as pessoas que se planejam, veja bem, as que se planejam, procuram uma casa em Torres. Na primeira semana de dezembro as pessoas ainda acham que estão em novembro. Na segunda semana elas começam a se preocupar, pensando em um brinde para os clientes. Geralmente é um produto que deve ser produzido, mas as pessoas sempre querem de um dia para o outro, afinal, já é a segunda semana de dezembro! Nessa loucura de atender todos os pedidos, as fábricas de brindes trabalham como loucas, enlouquecendo seus funcionários, que acabam esquecendo das coisas e ficando sem tempo, deixando também, tudo para a última hora.

Na segunda semana começam os encontros de turmas: a turma da escola, a turma do pilates, a turma da quinta-feira, a turma do final de semana, a festa da firma. Atende o cliente que quer as coisas para ontem. Pensa no presente da mãe. O que eu vou fazer nas férias?

Na terceira semana de novembro alguns vão atrás de um lugar para passar os feriados, e acabam gastando 3 vezes mais em hospedagem. Nesta semana também as pessoas mais organizadas vão comprar os presentes de Natal. As outras vão estar no centro domingo, dia 24. O comércio vai estar aberto, não é gente?
Estou selecionando um clone, alguém que faça o que eu faria e que me deixe dormir um pouquinho. Mas tem outra opção, estou aceitando dias mais longos também, eu aguento firme, 36 horas já estava de bom tamanho. Alguém?

Acho que essa correria nunca vai mudar, e se mudar, vai fazer falta. Afinal, estou só pelas férias, para, ao invés de fazer coisas bem legais, ficar vegetando, purificando-me dos dias tóxicos e intensos do ano que se acumularam significativamente este mês.
Não odeio dezembro ou o Natal! Eu gosto e muito. Eu só queria que, talvez, a gente se importasse mais com a família, os amigos e com nós mesmos, também nos outros 11 meses do ano.

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário