Plantão

Autoridades falam sobre redução nos números de homicídios no mês de abril

Nicholas Lyra
Escrito por Nicholas Lyra

Após um mês violento registrado em março, Bento teve em abril uma diminuição nos índices de criminalidade. Especialmente no que diz respeito a homicídios. Se no terceiro mês do ano foram 11 mortes violentas, em abril foram registrados dois casos.

Além disso, a Capital do Vinho está há quase 20 dias sem um caso de homicídio. Nenhum caso foi registrado no mês de maio: o último caso ocorreu em 23 de abril. Na avaliação das forças de segurança, uma série de fatores foram determinantes para a redução.

O que dizem as autoridades

De acordo com o secretário de segurança pública do município, José Paulo Marinho, ações integradas com as diversas forças de segurança, como a Brigada Militar, a Polícia Civil, a Polícia Rodoviária Federal, entre outras, ajudaram a diminuir os índices. “A gente conseguiu minimizar o problema, mas não resolver completamente”, pontua.

Conforme o secretário, os índices, por vezes, sofrem desvios na normalidade. Na avaliação, o mês de março foi considerado atípico, com número de crimes muito acima do padrão. “No decorrer do ano, é possível que altas assim voltem a ocorrer. Estaremos atentos e trabalhando para evitar ao máximo”, destaca.

Além disso, Marinho aponta que a chegada de alunos da Brigada Militar em período final de estágio, que reforçaram o patrulhamento ostensivo ao longo do mês, também contribuíram com a queda do índice. Os alunos permaneceram em Bento até a sexta-feira, 11, data da formatura. “Estamos buscando, junto à Secretaria do Estado, para que uma parte de esse efetivo seja destinado aqui para Bento Gonçalves”, finalizou.

A visão da Brigada Militar (BM) vai ao encontro da posição da Secretaria de Segurança Pública. Conforme o capitão do 3º Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPAT), Rogério Schuh dos Santos, o acréscimo dos agentes em estágio auxiliou o trabalho. “Com o reforço, eles nos proporcionaram melhor planejamento e aumento operacional de guarnições em toda a cidade”, comenta.

Além disso, Schuh destacou a troca de informações com as demais forças de segurança, como a Polícia Civil, e a atuação do serviço de inteligência da Brigada Militar. “Conseguimos realizar a prisão de diversos indivíduos, inclusive relacionado ao tráfico de drogas”, comenta.

De acordo com ele, tratou-se de um início de ano atípico, com números elevados de delitos. “Atuamos no sentido de aumentar a sensação e a percepção de segurança, e estamos trabalhando para melhorar ainda mais e evitar novos casos”, finaliza.

Polícia Civil também comenta redução

Na Polícia Civil, a visão a respeito do patrulhamento ostensivo e do acréscimo dos agentes é corroborada. Para a delegada titular da 1ª Delegacia de Polícia, Maria Isabel Zerman, a diminuição da violência está relacionada a esse fator. “Também atribuo a redução dos homicídios à presença de inúmeros policiais militares que estão em nossa cidade realizando o patrulhamento ostensivo-preventivo”, pontua.

Na visão da delegada, ainda que a função da Polícia Civil não seja a de prevenir crimes, mas, sim, a de apurar a autoria e a materialidade do delito ocorrido, ela aponta uma participação das ações na queda da criminalidade. “Acredito que as nossas ações, sobretudo as contra o tráfico de drogas, transmitem uma sensação de presença do Estado e da ordem, refletindo na diminuição dos fatos ilícitos”, aponta.

Último crime violento aconteceu há quase 20 dias

O último caso de homicídio registrado na Capital do Vinho ocorreu há quase 20 dias. Na noite de 23 de abril, Rafael Agnoletto, 22 anos, foi morto a tiros no bairro Ouro Verde. O crime ocorreu na rua Antônio Dalla Coletta, por volta das 21h.

Conforme o registro da ocorrência, Agnoletto foi morto enquanto estava dentro de um automóvel. Dois homens encapuzados se aproximaram a pé e efeturam os disparos. Após, fugiram do local. A namorada do jovem, que estava no banco do carona no momento do crime, não ficou ferida. Já a vítima morreu na hora e a Polícia Civil investiga o caso.

O outro caso de homicídio ocorrido em abril foi registrado na madrugada do dia 8, no bairro Planalto. Dienifer Martins Marques, 18 anos, foi morta a tiros em frente a uma casa noturna na rua Olinto de Freitas, por volta das 5h15min.

Um homem armado efetuou diversos disparos na direção da casa noturna. Os tiros atingiram a jovem, que chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.
Os disparos também atingiram um homem e uma mulher que estavam próximos ao local, mas sem gravidade. Ambos os casos foram registrados na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Bento Gonçalves.

O autor do segundo crime foi identificado pela Polícia Civil. O inquérito, concluído, foi remetido à Justiça com o indiciamento do responsável.

Sobre o autor

Nicholas Lyra

Nicholas Lyra

policia@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário