Cultura

“A nossa gestão é feita para todos”, afirma presidente do MTG, Nairioli Callegaro

Ranieri Moriggi
Escrito por Ranieri Moriggi

Reeleito para mais um mandato, Nairioli Callegaro fala dos desafios em comandar os milhares de adeptos ao MTG

O Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado entre os dias 12 e 14 de janeiro em São Jerônimo, discutiu as diretrizes do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) o ano e marcou a reeleição daquele que deverá conduzir a entidade pelo terceiro ano consecutivo. Já na sexta-feira, 12, no primeiro dia do Congresso, já se sabia quem seria o presidente do MTG para 2018, afinal, apenas uma chapa havia sido registrada.

Aos 51 anos, Nairioli Antunes Callegaro, é engenheiro civil de formação. Porém, desde os 18 anos, está envolvido com as questões do tradicionalismo, quando fundou e foi o primeiro patrão do CTG Chimangos, em Porto Alegre, fez dele sua entidade, uma convicção familiar. A eleição com chapa de consenso é a mostra de uma gestão unificadora, que levou o apoio das 30 regiões tradicionalistas. Callegaro falou com o Semanário, avaliando o trabalho realizado ao longo de 2017 e projetando novos desafios do MTG para 2018.

Semanário: 2017 foi um ano de mudanças dentro do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Como o senhor avalia o período?
Callegaro: Avaliamos positivamente. As mudanças às vezes provocam um impacto, dependendo do alcance que desejamos e do universo a ser atingido. Mas num contexto geral tenho a nítida impressão de que tudo que fizemos foi gerado pela expectativa e vontade da grande maioria. Inicialmente surgiram dúvidas, e incertezas foram lançadas, mas com o decorrer do processo as ideias e modelos foram sendo absorvidas e colocadas em prática.

Semanário: Ainda em 2017, o MTG trabalhou fortemente a questão do voluntariado. Pode-se dizer que as metas foram alcançadas?
Callegaro: Diria que de forma efetiva, parcialmente. Devemos considerar nesta questão dois aspectos fundamentais. O primeiro: a execução de atividades voluntárias. O segundo: a capacidade de reabilitarmos a capacidade e entendimento do verdadeiro sentido do voluntariado, aquele feito sem esperar nada em troca, feito pelo comprometimento com a coletividade. Pensando desta forma tivemos um ano que promete muito para os próximos.

Semanário: Neste ano, o senhor foi reeleito para presidir o MTG, pela grande maioria dos votos dos conselheiros. Ao que se deve, na sua opinião, esse número expressivo?
Callegaro: A nossa gestão é voltada para todos, escutando, recebendo sugestões e o que penso ser o mais importante, a capacidade de fazermos junto com a coletividade uma leitura de como o MTG deve voltar a ser um agente social e transformador em nossa sociedade. Buscando o entendimento e união, fazendo um MTG de todos e não de interesse de pequenos grupos.

Semanário: Quais os projetos para 2018? No que o Movimento irá focar? Há alguma área em específico?
Callegaro: Iremos aprofundar esta questão do voluntariado e principalmente despertar a capacidade de pensar e ser atuante de nossa juventude. Que sejam nossos jovens os grandes construtores desta nova história do MTG, nunca esquecendo aqueles de quem herdamos esse Movimento. Este é um aspecto que considero fundamental para a caminhada dos próximos 50 anos do MTG. Existem questões administrativas, financeiras, de sistema operacional sendo implementadas que contribuirão para um melhor funcionamento do Movimento.

Semanário: Em números, nota-se o aumento ou redução na participação de crianças, jovens e adultos nas atividades dos CTGs?
Callegaro: Este questionamento sempre é feito e vejo que cada vez mais o jovem e crianças participam de nosso Movimento. O Acampamento da Juventude foi um dos maiores que o MTG já presenciou. Outros eventos cresceram, em todas as áreas, e o melhor é um crescimento organizado e ordenado, solidificado em valores fundamentais que constituem nosso Movimento.

Semanário: Como o MTG trabalha para auxiliar na manutenção do tradicionalismo nos municípios? Há projetos em andamento?
Callegaro: O MTG é um organismo orientador e organizador, tem um caráter de preservação de nossa tradição, procura exercer uma função de agregador, discutindo junto à sociedade e fazendo valer estes conceitos de uma forma organizada e focada. Ajudando na preparação de novas lideranças e despertando o desejo em participar em cargos e funções gerenciadoras de nossas entidades.

Semanário: Enart e Fecars 2018: há novidades quanto aos maiores eventos que o MTG promove?
Callegaro: São eventos completamente diferentes. O primeiro focado em questões puramente artísticas, que estamos aperfeiçoando através de um novo sistema técnico operacional e de avaliação. O segundo, um evento que traz do campo nossos principais valores de formação e identificação de nossa Identidade Regional. Neste temos o grande desafio de preservar como uma atividade cultural capaz de nos representar através de demonstração de nossos usos e costumes. Basta manter o que estamos fazendo com respeito às nossas origens e nossa cultura.

 

Sobre o autor

Ranieri Moriggi

Ranieri Moriggi

geral3@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário