Uma nova instrução normativa, publicada pela Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural deve viabilizar a ampliação de vendas de queijo artesanal serrano produzidos no Rio Grande do Sul para todo o Brasil. A adesão ao selo arte garante que o produto emprega mão de obra familiar, levando em conta o saber fazer, a tradição e a geografia local, além de possibilitar o acesso a novos mercados.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a criação do selo só é autorizada em estados que possuam leis específicas para produtos, como é o caso do Rio Grande do Sul que desde 2016 possui uma regulamentação própria sobre a produção e a comercialização do produto.

Conhecido por sua coloração amarelada e elaborado a partir da utilização do leite cru, recém ordenhado, com aroma e sabor acentuados, a ampliação para novos mercados anima produtores da região que esperam, a partir de agora, aumento na produção, garantindo renda, mas também, preservando a história, cultura e a tradição do produto.

Por enquanto, apenas queijarias legalizadas nos Serviços de Inspeção Municipal de 16 municípios da região dos Campos de Cima da Serra poderão se beneficiar com o selo arte, caso atendam aos requisitos da legislação em vigor. Para utilização do benefício, é necessário encaminhar uma série de documentos, na forma digital, para o Departamento de Agricultura Familiar e Agroindústria (Dafa) da Seapdr, pelo e-mail [email protected] Mais informações pelo telefone (51) 3218-3353. Os produtores poderão também procurar o escritório da Emater/RS nos seus municípios para encaminhar o pedido de adesão.

Foto: Fernando Dias /Seapdr / Divulgação