Parem, sim, que muita gente quer descer do Brasil, eu dentre eles. Algo de muito sério está acontecendo e não explicam o quê nem por quê. Falo sobre a redução do preço da gasolina e diesel pela Petrobrás. Todos nós ouvimos, lemos e vimos “experts” comentando sobre a “irresponsabilidade” do governo que, prejudicando a Petrobrás, não concedia aumento nos combustíveis para manter a inflação reduzida artificialmente. E o pior de tudo é que “jênios” que são metidos a entendidos em economia ouviam e repetiam isso tudo. Aqui, na Coluna, escrevi muitas vezes que a gasolina deveria custar mais pelo elementar motivo de que, se aplicada a inflação sobre o preço de 2002, ela seria beeeeemmmm mais cara. Mas, os “experts”, os que sabem tudo, queriam o aumento. Para quê, mesmo? Obviamente por rasteiros motivos político-partidários. Expliquem agora, “jênios”! E expliquem como a Petrobrás, que teve prejuízo de 16,5 bilhões no 3º trimestre, agora reduz preços.

E agora, como ficará?
A Petrobrás decidiu reduzir o preço para as refinarias pela segunda vez em menos de um mês. Em outubro, a Petrobras fez a primeira redução de preços desde 2009. A redução do diesel foi de 2,7% e da gasolina em 3,2%. Na noite desta terça-feira uma nova redução nas refinarias foi anunciada. A gasolina ficará 3,1% mais barata, em média, e o óleo diesel, 10,4%. Ficará? Eheheheheh… Acredite quem quiser. Já estamos ressabiados com as reduções de impostos, desonerações e isenções que jamais chegaram ao bolso do povo. Claro que, como sempre, alguns postos reduziram. O posto Fenavinho, por exemplo, localizado próximo ao semáforo que dá acesso ao Distrito Industrial, na saída para Caxias do Sul, comercializa gasolina comum a R$ 3,399 e aditivada a R$ 3,499. Será que essa nova redução chegará, agora, ao bolso do consumidor? Façam suas apostas!

Falimos! Deu! Acabou tudo!
É esse, certamente, o sentimento que se abateu sobre o povo do Rio Grande do Sul. A segurança pública é uma falácia! É utopia! Esta semana assistimos na TV cenas, no mínimo, vergonhosas. Elementos presos mantidos encarcerados em viaturas da polícia e dois algemados a uma lixeira. Foi o símbolo da falência do Estado. E o ex-secretário da segurança pública, Airton Michels, foi denunciado por “improbidade” por haver devolvido ao governo federal verbas destinadas à construção de presídios. Até o presídio de Bento Gonçalves foi citado. Cristo! Quem não sabe do imenso sacrifício, da luta pela construção do presídio da juíza Fernanda Ghiringhelli? Dos ex-prefeitos Gabrielli e Lunelli? De membros da Susepe? Não temos um presídio novo aqui por absoluta omissão da população, que permitiu que uma dúzia de pessoas impedissem sua construção. Somos responsáveis diretos por essa falência. Por omissão!

Agora vai!
E Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos da América. O mundo acompanhou a eleição deles e a maioria não entendeu direito como funciona. No frigir dos ovos, restaram 538 delegados que votaram, na maioria, em Trump, surpreendendo todos os que acreditam em pesquisas. Interessante é que eles estão num país de “primeiro mundo” e erraram feio. Aqui, se erram por centésimos, é porque as pesquisas foram petistas ou antipetistas. Mas, o que sobrou para nós, brasileiros, é a possibilidade de termos o nosso “trump” eleito aqui. Um extremista de direita sem noção, paparicado por muitos. Bem, costumamos dizer que “brasileiro não sabe votar” (sempre que o nosso candidato não é eleito, claro). Talvez não saiba meeessssmoooo e a figura chegue ao Palácio do Planalto. Será que poderemos dizer “agora vai”, também?