O povo gaúcho está às voltas com um segundo turno da eleição para governador. Tarso Genro, do PT, atual governador, enfrenta José Sartori, do PMDB. Claro que ambos estão sendo “apoiados” por vários partidos, mas o que causa espécie é que os “apoiadores” em âmbito nacional se digladiam nos estados, deixando até os eleitores de mediana inteligência confusos. As frases que ambos pronunciam, sem constrangimentos, deixam os que acompanham a politica partidária estarrecidos. E em outras unidades da Federação não é diferente. Até mesmo dentro dos próprios partidos há divergências, rachas incríveis, com uns apoiando contra o outro. Há que se destacar, porém, que aqui, no RS, a campanha tem sido menos agressiva que no País. Nacionalmente o que se vê é uma verdadeira guerra, com agressões que ultrapassam todo e qualquer limite de civilidade. A chamada “grande imprensa” tomou partido e promove o maior massacre midiático que se tem notícia, não só no Brasil, mas na história da humanidade. Veja, Época, IstoÉ, Estadão, Folha, Rede Band, Organizações Globo e outros ex-meios de comunicação (agora se tornaram nitidamente “imprensa político-partidária”) abraçaram a candidatura de Aécio Neves (mas “fingem” que não, enganando incautos) e detonam Dilma Rousseff 24 horas por dia, como se ela, exclusivamente ela e seu partido politico fossem os únicos responsáveis pela corrupção brasileira. Essa mesma mídia partidária ignora, solenemente, por exemplo, mesmo com os fatos acontecendo no quintal de suas casas, ou redações, a roubalheira de bilhões que está acontecendo há mais de vinte anos no metrô paulista, comandado pelo governo do PSDB esse tempo todo. Não abrem manchetes nem quando a justiça da Suíça envia á brasileira processos com provas e condenações. A justiça Suíça, para essa imprensa tendenciosa e partidária, não merece a credibilidade que o corrupto, indicado pelo Partido Progressista (PP), no governo fhc, para diretoria da Petrobrás, tem merecido, mesmo sendo, até agora, apenas sua palavra, sem provas. Que a petralhada meteu e mete a mão, até as pedras sabem. Tanto que teve membros condenados e presos. Mas, por que a demotucanalhada, que continua metendo a mão, está sendo protegida, por essa “imprença” aí? Por que os processos contra eles prescrevem nas gavetas da justiça brasileira? O pior de tudo isso é que muitos “éticos, morais e honestos” defendem ou fingem não ver essa corrupção já comprovada, ignorando-a também. Vou repetir o que já disse dezenas de vezes: não há virgens na zona política brasileira porque todos os partidos são farinha do mesmo saco. A propósito: existem, ainda, partidos políticos? Não serão aglomerações em defesa de seus “interésses”? Será que é assim que pensam em “mudar o Brasil”? Se for, pobre Brasil! Cumprimentos aos professores-heróis pelo seu dia!