Um espaço amplo e onde a aprendizagem e a preparação para o futuro estão em primeiro lugar. Foi assim que o Serviço Social da Indústria do Rio Grande do Sul inaugurou oficialmente na segunda-feira, 5 de setembro, o Centro de Atividades em Bento Gonçalves. O espaço prioriza os serviços educacionais do programa [email protected], que poderá atender cerca de 200 crianças com idade de 6 a 12 anos no contraturno escolar, no Atleta do Futuro, além de possuir orientação nutricional e dos Jogos do Sesi. A atividade contou com a presença de lideranças ligadas ao Fiergs, de empresas do município e equipe do CAT.

A unidade está localizada na avenida Presidente Costa e Silva, 130. Para as indústrias, serão oferecidos cursos de educação continuada para o mundo do trabalho, cursos de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), unidades móveis de odontologia, exames de pressão arterial, glicemia e acuidade visual. Também há serviços na área de promoção da saúde, como ações de incentivo a uma alimentação saudável, prática de atividades esportivas e gestão das relações humanas. Com total acessibilidade, o prédio dispõe de oito salas de aula, sala de informática, biblioteca, duas salas multiuso, pracinha infantil, refeitório, vestiários, quadra poliesportiva e área administrativa. Foram investidos R$ 7 milhões na nova estrutura.

O presidente da Fiergs, Heitor Müller, destacou, com alegria, a importância de disponibilizar este espaço para a educação de crianças e jovens. “Este CAT, por exemplo, dispõe de espaço para salas de aula e outras atividades relacionadas ao aprendizado. No Rio Grande do Sul, já funcionam duas Escolas de Ensino Médio sob administração do Sesi, que adotam uma orientação pedagógica voltada à formação de recursos humanos para a indústria 4.0. Começamos a investir mais em educação no nosso Sesi, saindo um pouco da questão do entretenimento. Vimos que se nós não preparássemos os nossos alunos que depois vão para o Senai com o ensino fundamental melhorado e escola de referência, seria muito difícil nós termos condições de treinarmos estas pessoas para nossa indústria. Atualmente é tudo ligado na questão digital, informatizado, com muita robótica, mecatrônica, então devemos ensinar desde pequeninos para que eles entendam e para que consigamos participar do mercado mundial como já acontece com vários outros países que estão adiantados nessa questão da indústria 4.0”, lembra.

Leia mais na edição impressa do Jornal Semanário desta quarta-feira, 7 de setembro.