Jogo para a torcida

Muito se tem cobrado dos 17 vereadores de Bento Gonçalves que apresentem projetos para buscar soluções para problemas crônicos da cidade, em áreas como saúde, habitação e segurança, por exemplo, e fiscalizem efetivamente as ações do Poder Executivo – funções precípuas do cargo –; e deixem de utilizar os mandatos ungidos pelo voto popular para batizar ruas, locupletar apoiadores e render homenagens. Mas é preciso saber onde pisa, o que parece não estar ocorrendo nesta legislatura. Há vereadores que reclamam que seus projetos sequer chegam ao plenário, barrados na análise prévia das comissões instituídas na Câmara. Na sessão da segunda-feira, 23, ficou evidente a chiadeira de pelo menos dois edis em torno do tema: Moacir Camerini (PT) reclamou que o projeto de sua autoria prevendo isenção de IPTU a agentes da segurança pública não passou, enquanto Moisés Scussel (PMDB) usou a tribuna para atirar contra a reprovação de um projeto que instituiria um programa para mapear áreas de risco na cidade. Sem debater o mérito, é a forma que está em jogo. Ora, é preciso conhecer os limites da atuação do Legislativo e as brechas para garantir a aprovação de projetos. Há questões legais envolidas, como o projeto de Camerini, que precisam ter origem no Executivo. Outras, como a iniciativa de Scussel, precisam estar alocadas dentro de uma lei já existente para ser aprovada. Se mesmo o cidadão comum não pode alegar o desconhecimento das leis como atenuante, é preciso exigir dos vereadores, mesmo daqueles em primeiro mandato, que conheçam suas atribuições e limites legais. Senão, o que parece é que os vereadores não querem ver suas ideias implantadas, mas preferem fazer jogo de cena para a torcida que, via de reg5ra, desconhece as regras do jogo.

Na promessa

O vice-reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Rui Oppermann (foto), afirmou ao presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne), Diego Segabinazzi, que a universidade está em fase de conclusão do projeto para a implantação do campus na Serra Gaúcha, e que ainda não há uma definição sobre a cidade que será a sede da instituição na região e tampouco um prazo para a conclusão do processo. Uma definição já é conhecida: inicialmente a UFRGS deverá implantar cursos nas áreas das engenharias, o que pode significar que a universidade está mais próxima do eixo Caxias-Bento, que possui um importante parque industrial. O que Oppermann garantiu é que, em breve, a UFRGS deve apresentar as condições necessárias para a instalação do campus.

Em busca do restauro

Aprovado em 2008, o projeto de restauro e adequação de uso do Museu do Imigrante aprovado pela Lei Rouanet permite a captação de pouco mais de R$ 1 milhão para as obras, mas em quatro anos captou somente R$ 30 mil. Para mudar esse quadro e conseguir os recursos necessários para reabrir o museu, a prefeitura conta com a iniciativa voluntária do produtor cultural Fabiano Mazotti para estimular a participação de empresas, que podem utilizar até 4% do Imposto de Renda em projetos culturais como esse. A intenção é ultrapassar os R$ 200 mil até o final do ano. Só assim o dinheiro do governo federal estará garantido.

De Bento à França

Os vinhos da Serra Gaúcha cada vez mais conquistam reconhecimento internacional. Além dos prêmios acumulados em concursos espalhados mundo afora, a mídia também começa a se render à qualidade dos produtos daqui. Este mês, um artigo publicado no prestigiado jornal francês Le Monde sob o título “Rouges Brésil” afirmou que alguns vinhos serranos estão “entre os melhores do mundo”. O texto, do correspondente do Le Monde no Brasil, Nicolas Bourcier (foto), que esteve em Bento para a realização da reportagem, conta a evolução da viticultura na região e afirma que, após 20 anos de trabalho e investimento, os vinhos da Serra Gaúcha são “admiráveis”.

26 anos de luta

Completando 26 anos de atuação neste mês, a Movergs vê um cenário favorável e de oportunidades nos próximos anos para o setor moveleiro. Mas, apesar disso, o presidente da entidade, Ivo Cansan, avalia que dificilmente as reivindicações do setor, como a prorrogação do Reintegra e uma nova redução do IPI, serão atendidos. Mesmo assim, ele acredita que o setor fechará o ano com um desempenho melhor que o registrado em 2012.

Monumento ao desperdício

Nem toda a pressão para que o Daer retome as obras da ERS-431, principalmente a conclusão da ponte que há cinco anos liga nada a lugar nenhum, vai surtir efeito positivo. A autarquia estadual revelou que alterações em questões técnicas jogaram por terra o antigo projeto, e que não há prazo para retomar a obra que é um monumento ao desperdício do dinheiro público consagrado por sucessivos governos estaduais.

Saúde precária

A vereadora Neilene Lunelli usou seu espaço na tribuna durante a sessão legislativa da segunda-feira, 23, para denunciar que os moradores do distrito de Tuiuty estão sem atendimento médico na unidade básica de saúdo local há cerca de dois meses. Além disso, a unidade também estaria enfrentando problemas com a falta de medicamentos, o que já se verifica também em outros locais. É certo que os problemas no atendimento à saúde da população em Bento não são de hoje, mas, infelizmente, em nove meses do novo governo, o que se viu foi a deterioração de um serviço que já era precário. A constante falta de médicos, apesar da secretaria de Saúde afirmar que as carências haviam sido sanadas, a ponto do município solicitar apenas dois profissionais pelo programa Mais Médicos, é só uma face do problema. A população ainda convive com as incertezas que cercam a conclusão da nova Unidade de Pronto Atendimento – e o desperdício do dinheiro público empregado lá, com móveis e equipamentos deteriorados, sem uso ou ainda desviados do local –, a indefinição sobre o destino das UBSs de lata e a crônica superlotação no PA 24 Horas. No caso da falta de medicamentos, há quem afirme que erros burocráticos impediram a aquisição de produtos imprescindíveis no dia a dia do atendimento à população, o que é impensável. É preciso cobrar providências urgentes.

Ponto

  • O presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Valdir Andres, vai debater em Bento a realidade dos municípios e questões regionais durante reunião da Amense na sexta-feira, 27.
  • Durante o encontro, a secretária executiva do Instituto de Administração Municipal da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Maria do Carmo Quissini, vai apresentar os objetivos e a programação de uma viagem técnica do grupo ao Chile em novembro.
  • Cansado de ver projetos de sua autoria “baterem na trave”, o vereador Moacir Camerini (PT) entrou com um pedido de mandado de segurança contra a Mesa Diretora da Câmara junto ao Poder Judiciário devido ao “grande número de projetos arquivados pela Comissão de Constituição e Justiça e pelo Jurídico da Câmara”.
  • Será amanhã a segunda reunião do Conselho Municipal Antidrogas sobre o uso de bebidas alcoólicas em festas de formaturas do ensino médio.
  • No encontro, o psiquiatra Ângelo Campana aborda as inconveniências do álcool nos adolescentes e experiências de municípios em relação ao tema, objeto de análise da Promotoria da Infância e da Juventude em Bento.
  • O vice-presidente do Conselho Administrativo da Salton, Antonio Agostinho Salton, vai receber o Trofeu Sindivinho como Destaque no Setor. A homenagem será no dia 4 de outubro, durante um jantar de comemoração aos 65 anos da entidade, em Caxias.
  • Além de Salton, o sindicato vai agraciar também o economista André Cirne Lima e o vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Paulo Tigre.
  • A geração de empregos em Bento até agosto supera em 10% o total de vagas gerado em 2012. Os dados divulgados pelo Caged mostram uma retomada na criação de empregos formais na cidade, depois de um ano atípico para os padrões registrados em Bento nos últimos anos.