– Janeiro já foi esquecido.

– Fevereiro passou em ritmo de samba de carnaval.

– Março ficou para trás patinando.

– Abril já era.

– Maio escafedeu-se.

– Junho ficou no meio do caminho.

– Julho morreu de frio.

– Agosto quase ninguém viu.

– Setembro mal entrou e já saiu totalmente de cena.

– Outubro o ventou levou como naquele filme clássico.

– Novembro já é finado.

– Meu Deus, já é dezembro e o ano terminou num piscar de olhos.

Você pecebeu que o tempo já comeu praticamente 2013 inteiro?

Os meses do ano passam voando, apesar dos dias irem a pé.

Com uma coisa todo mundo concorda: vivemos em altíssima rotação. Vivemos o tempo da pressa e da ansiedade e não o tempo do relógio.

Quem ainda consegue diminuir o ritmo e fazer escolhas mais acertadas com a devida calma?

A vida é o tempo de abrir e fechar os olhos, mesmo para os que não acreditam na entidade metafísica do tempo que é uma imagem móvel da eternidade. Passado, presente e futuro não passam de um eterno movimento.

Pois é, vivemos todos essa coisa de claquete que exige ação, ação, ação…

– E aí, como vai? – Pergunta-me você, adivinhando a minha resposta.

– Correndo como sempre, fazendo as coisas urgentes e deixando de lado as importantes – Respondo, eu.

É bem conhecida a piada do workaholic que mesmo morto pediu para que a parentagem continuasse rezando, enquanto ele iria atender o celular que estava tocando.

Autran Dourado escreveu um conto magnífico que chamou de os “Mínimos Carapinas do Nada” que está entre os “Cem melhores contos do século”. Neste conto, os moradores mais antigos de uma pequena cidade gastam o tempo se dedicando à nobre arte de desbastar e trabalhar a madeira com um simples canivete até reduzi-lo a uma colher de pau ou a um nada qualquer.

Claro que isso acontecia em outros tempos quando as pessoas tinham o tempo todo mundo para gastá-lo como melhor lhe conviesse ou lhe parecesse.

Logo virão as nozes, o panetone, algumas risadas com as brigas familiares implícitas na Ceia de Natal.

– Quando se vê, a espera pelas festas natalinas terminou.

– Quando se vê, a estrela Dalva se apagou.

– Quando se vê, o ano novo já começou.

– Quando se vê, a vida passou.

De tudo fica a certeza de que estamos sempre começando e de que é preciso continuar, aproveitando o tempo e aprendendo sua eterna lição.

Devemos fazer de cada obstáculo um caminho novo, movidos por uma nova motivação. Se o ano que está findando não rendeu frutos, valeu a sombra das folhas e se não folhas, valeu a luta e a esperança.

 

[email protected]