Geral

Uma plantação em tons de rosa, em Tuiuty

Fábio Becker Loppe

Pioneiro no cultivo de pitaya na região, Dorvalino Rizzardo possui 5 mil cactos e uma produção que chega a 4 toneladas

No setor de hortifruti, entre laranjas, limões e bananas, uma fruta bastante distinta atrai os olhares curiosos de quem passa pelo corredor. Um casal para e observa. A mulher pergunta “O que é isso?”. O homem analisa a plaquinha, admite não conhecer. “Vamos provar um”, diz, enquanto ensaca uma delas. Conhecida nos países de língua inglesa como “fruta dragão” devido a sua casca colorida e escamosa, aqui, a chamativa fruta leva o nome de pitaya, ou ainda pitaia – que significa escama em língua indígena.

Embora a bibliografia sobre o tema seja escassa, e ainda não existam estimativas consistentes sobre o número de produtores e nem acerca do consumo per capita do brasileiro, a crescente presença do fruto como ingrediente em vinhos, chás, iogurtes, entre outros, ademais de sua facilidade de manejo e adaptação, fazem com que o cultivo da pitaya comece a se tornar uma alternativa lucrativa para agricultores de diferentes partes do Brasil, sendo mais comum na região Nordeste. Na Serra Gaúcha, embora a planta ainda seja novidade, há pelo menos um produtor em Caxias do Sul, um em São Francisco de Paula, um em Santa Tereza e outro em Nova Prata. Em Bento Gonçalves, o pioneiro é Dorvalino Rizzardo, 67, que há três anos resolveu apostar na produção dessa exótica variedade de cacto.

Frutos da curiosidade

Como que espantado e apaixonado pelo resultado de seu próprio trabalho, Rizzardo caminha entre as fileiras de cactos apontando a beleza dos frutos que começaram a florescer na última semana. Olhando, primeiro, para o horizonte ao norte, até onde se erguem as últimas plantas de pitaya no ponto mais elevado do terreno, e depois, ao sul, onde a plantação desce até encontrar às margens do Rio das Antas, pergunta, retórica e emotivamente, mais de uma vez: “Tem como imaginar que eu plantei tudo isso sozinho?”.

Localizado em meio às estradas de chão da Linha Demari, no distrito de Tuiuty, a plantação de pitayas de Rizzardo ocupa, junto há outras variedades de frutas, um terreno de 5 hectares. Plantar, segundo ele, é um hobbie, uma diversão com a qual pôde retomar suas raízes de homem do campo. “Morei até os 28 anos no Burati, lá a gente tinha parreiras. Depois que vim para a cidade, me dediquei 35 anos ao mercado, mas me cansei e deixei com meu filho. Queria voltar para a terra. Comprei esse terreno aqui, plantei fruta do conde e todo tipo de fruta, por passatempo mesmo. Amo a colônia!”, exclama.

Misto dessa paixão pela terra e da dedicação diária, a expansão do cultivo de pitaya se deu quase que naturalmente. O que inicialmente eram apenas sete mudas de uma planta até então desconhecida se multiplicou, tornando-se, em pouco tempo, um cultivo de 5 mil cactos. O começo, no entanto, foi mero acaso, como conta Rizzardo. “Desci até o Vale do Caí para comprar mudas de fruta do conde, aí vi os cactos lá e me chamou a atenção, achei bonito. Paguei R$9 por cada uma das as sete mudas que eles tinham lá e levei todas para casa. Eu nem tinha ideia que fruta que dava”, comenta.

Ao ver as plantas trazidas pelo pai, Rudinei Rizzardo, também ficou curioso, e então resolveu buscar mais informações sobre as mudas. Foi então que, junto à Dorvalino, rumaram à Santa Catarina, onde descobriram que havia um número maior de produtores. “Meu filho me perguntou como é que eu plantava algo sem saber o que é”, lembra humorado, Dorvalino. “Então a gente foi buscar informação em Santa Catarina. Visitamos cinco produtores lá, um com mais de 40 mil mudas. Os colonos catarinenses nos ensinaram tudo sobre a pitaya, como fecundar, como plantar”, explica.

Foi então que Rizzardo resolveu apostar alto. Deu fim às parreiras que ocupavam o terreno que havia comprado há dez anos, e trouxe dois caminhões carregados de Santa Catarina, com um carregamento de 4 mil mudas de pitaya. Em 12 de fevereiro de 2016, data que guarda na memória, plantou as primeiras mudas. Em dezembro do mesmo ano veio a primeira colheita.

Sobre a produção

Dorvalino Rizzardo é pioneiro na produção de pitaya em Bento Gonçalves

Apesar de quatro partes de sua produção seja de pitaya branca, Rizzardo começa a apostar também em novas variedades: amarela, cor vinho, e a vermelha, que já conta com 1 mil plantas. Essa última, como explica, dá frutos menores, porém mais doces. A ideia em plantá-las, no entanto, não é tanto pelas pitayas que produz, mas sim, por ser uma variedade que gera o pólen necessário para fecundar as outras plantas, acelerando toda a cadeia produtiva.

Embora os cactos dessa espécie se adaptem facilmente em diferentes regiões e as plantas cresçam e produzam sem grandes interferências, o manejo é cuidadoso e feito diariamente. É preciso, entre outras coisas, manter os ramos para baixo, para que os frutos cresçam. Ademais desse processo, a polinização também é feita de maneira manual à noite, quando a flor da pitaya se abre. Depois de polinizada, em 40 dias se dá a primeira colheita.

Segundo Rizzardo, é possível fazer até quatro colheitas por ano. Atualmente, cada colheita gera até 4 toneladas. Ademais dos frutos que vende em seu próprio supermercado e para grandes depósitos da região, também vende mudas para novos produtores. A evolução, comenta, não para por aqui. “Fui até a Embrapa, em Turvo, Santa Catarina, e comprei 20 mudas de uma nova variedade que eles fizeram lá. Essa dá até 15 colheitas por ano. Ainda não brotou, mas espero que dê uma fruta bem bonita”, projeta.

Sobre o autor

Fábio Becker Loppe

Fábio Becker Loppe

Deixe um comentário