Andressa Borges

Retrospectiva cinematográfica de 2017

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

Bates Motel me surpreendeu com sua frieza, com a atuação do elenco, com o brilhantismo com o qual juntaram as épocas e como deram, a uma história tão antiga, um final tão surpreendente sem perder o controle. Uma série de roer todas as unhas e morrer de raiva, ora xingando a mãe, ora o filho. Entendedores entenderão.
– Todos têm o seu lado certo da história e todos têm razão, do seu ponto de vista. Mas é ético? E a quem prejudica?

Penny Dreadful mostrou mais cenas de horror e suspense que Jogos Mortais. Eva Green não poderia ser mais magnânima, transferindo toda a sua angústia e doença psicológica através da sua incrível atuação.
– Alguns demônios vão morrer com a gente, outros basta a sabermos expulsá-los. Muitos deles estão aí para nos ensinar algo, outros estão somente para nos atazanar. De outros ainda talvez seja fácil se livrar, pois somos acostumados a achar o que procuramos. Se procurarmos confusão, acharemos.

Stranger Things conseguiu transformar a história em algo cativante mesmo para quem não gosta do gênero. A trilha sonora, a atuação, inclusive e principalmente das crianças. Uma história que de tão louca passamos a acreditar nela e torcer para a turma engolindo a pipoca do outro lado da TV (ou do notebook, para quem está sem tem TV)
– Descobri que raios existem. E eles queimam mesmo a sua TV. Conta para doação caixa postal número mil e duzentos barra hífen.

Pela enésima vez, encontrei a minha série preferida. The Sinner. De onde você veio? Do que se alimenta? Gente, melhor série que você, que eu, que nós devemos respeitar. Qual o gênero? Suspense. Qual o tema? Traumas passados, apagão de memória. Simples, não é? Não! Eles conseguiram criar uma história plena e perfeita sobre um assunto que eu nem sei direito descrever. The Sinner, i love you.
– A vida sem trilha sonora não é nada, desculpa!

Suits
Amor eterno existe sim e não vem com mimimi dizendo que depois que cair na rotina não é mais a mesma coisa. Suits não caiu na rotina, teve uns 2 ou 3 episódios um pouco enfadonhos, mas deu a volta por cima em grande estilo. Por isso querido, vá malhar, faça a janta para ela, leve ela para a balada e você mulher, coloca aquele vestido, faça Zumba, Crossfit, Strong, crochê, lasanha para ele (de vez em quando também que é para ele não acostumar).

Dark
Amei e odiei. Não simpatizei no início, me cativou depois, tivemos um affair bem tenso. Fui teimosa em continuar assistindo até o final e me frustrei nos últimos minutos.
– Esquivei da vida amorosa e fui me decepcionar no Netflix. Um joelho ralado doi bem menos.

13 Reasons Why. Assisti porque estava na moda. Tema super polêmico e importante dentro da sociedade. Porém, não vejo como a série pode ajudar a realidade. Não aprendi nada com isso, só passei raiva. A vida não é perfeita, não é?

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário