Antônio Frizzo

Opinião – Antônio Frizzo

…AS POSIÇÕES MUDARAM…
Com o passar do tempo, o absurdo foi sendo percebido claramente. As concessionárias não tinham nenhuma obrigação a não ser COBRAR altíssimas tarifas e proceder “operações tapa-buracos”. Fazer acostamentos, pontes, túneis, viadutos, duplicações? Nem pensar! Sequer obrigação de guinchos e ambulâncias estavam em suas obrigações. Só os partidários fanáticos continuaram apoiando tais concessões absurdas. Os preços iniciais (FIXADOS, inacreditavelmente, em R$ 3,00, em 1996), caso não tivessem sofrido alteração de contratos, estariam hoje em valores surreais. Agora, com um novo governo do PMDB (ops! Desculpem, MDB, já que tiraram o “P”) quer reintroduzir o pedagiamento nos usuários, que o povo fique atento para que não tenhamos mais uma “ação entre amigos” por aqui.

AGORA VAI!

O governo federal, sob a alegação de “reduzir o déficit público” (o governo gasta muito mais do que arrecada e, obviamente, como até os paralelepípedos irregulares da Rua Angelo Salton sabem, pouco faz para reduzir DESPESAS), anunciou corte nos investimentos em SAÚDE e EDUCAÇÃO. Considerando-se que a saúde e a educação estão “ótimas” no Brasil, dá para se aplicar mais dinheiro no “fundo partidário”, “emendas para comprar votos de parlamentares”, pagar “auxílios” absurdos para setores privilegiados do funcionalismo, etc. Agora vai, né? Temer e seus apoiadores devem estar eufóricos pelo “conjunto da obra”.

CRISE?

Como se pode falar em “crise” diante do que se está assistindo? O gás de cozinha aumentou brutalmente; a energia elétrica, idem; a gasolina aumentou mais em 5 meses do que em 24 ANOS. Mas, a tal de “inflação oficial” é de 2,5% (IPCA), certo? Há desemprego, não? Mas, eis que chega o “feriadão” de final de ano e se constata o maior congestionamento da história nas rodovias que ligam ao litoral, com o retorno do recorde de veículos? E com os preços exorbitantes cobrados por tudo, desde a alimentação, hotéis e aluguéis? Pois é! Não se fazem mais “crises” como antigamente.

VINTE ANOS DEPOIS…
Pois é, já se passaram vinte anos desde que antonio brito (minúscula, por favor, redação) decidiu, com o apoio de seus amigos, os deputados da “base aliada”, entregar nossas rodovias para concessionários privados. Na ocasião, DEPOIS de ler os editais, comecei a protestar contra a porcaria que estava sendo feita. A seguir, feita a “doação” das principais rodovias, cercando as cidades importantes e, claro, com pequenos trechos, li alguns contratos assinados. Pensei que fosse uma peça de ficção, mas não, eram, mesmo, os contratos de concessões. Por minha posição contrária à forma com que essa verdadeira “ação entre amigos” foi efetuada, sofri contestações de algumas pessoas. Jamais, porém mudei minha posição: as concessões eram danosas ao interesse público e aos usuários de rodovias.

LÁ É DIFERENTE
Neste final de ano fui ao Uruguai de carro. É incrível o que se constata. De Porto Alegre a Pelotas temos rodovias em condições insatisfatórias. Paguei um pedágio de R$ 7,10 e mais três de R$ 10,70 (que aumentaram para R$ 11,40, na volta) para rodar 260 km. De Pelotas ao Chuí foram 259 km sem pedágio e em rodovia que não pode ser chamada de “boa”, mas, de “razoável” de comparada a RS-453 entre Bento e Farroupilha. Depois, pela Ruta 9, no Uruguai, rodei 220 km em rodovia excelente, mesmo com pista única, pagando UM pedágio de R$ 9,40 (80 pesos). Dispensável dizer da raiva que tomou conta de mim. Por que, afinal, temos que ser tão cordatos, acomodados, submissos às vontades de governantes de plantão, apoiados por amigos legisladores? Por que permitirmos esse tratamento de “cordeiros” que nos dedicam? Até quando?

ESTACIONAMENTOS ESPECÍFICOS
Já faz tempo que os estacionamentos para idosos, gestantes e deficientes foram criados POR LEI. Nesse mesmo tempo duvido que qualquer pessoa não tenha visto um desses “sem noção” utilizando essas vagas indevidamente. Agora até nos shoppings eles DEVEM ser fiscalizados. Mas, quando será que as administrações dos shoppings passarão a exigir o cumprimento da lei? Estacionar em QUALQUER dessas vagas requer o uso de cartão específico, colocado sobre o painel, próximo ao para-brisa. Se alguém não cumprir, cabe ao shopping chamar agente de trânsito para multar e mandar guinchar o infrator. E nas ruas, então? O abuso é diário, constante. Quando os que têm o DEVER de fiscalizar cumprirão a lei?

Últimas

Primeira
A RS-444, no Vale dos Vinhedos, foi parcialmente recuperada. Mas, e a RS-453, entre Bento e Farroupilha, quando será? Quanto precisam morrer ali, ainda?

Segunda
A nova Ministra do Trabalho, deputada filha de indefectível ex-deputado (mais uma dinastia de família?), já foi condenada em reclamatória trabalhista do seu motorista. Somando-se a muitos outros, pode-se dizer que estamos bem de ministros, né?

Terceira
O IPVA, absurdamente alto no RS, cresce de arrecadação ano a ano. As multas, idem. Mas, o que fazem os governantes estadual e municipais pelo trânsito? “Nadica di nada”!

Quarta
Gasolina teve redução de 0,1%. Vamos rir? Sim, vamos rir, mas não sem antes saber onde e QUEM fiscaliza essa “zona” em que transformaram o preço dos combustíveis;

Quinta
O ano de 2018 começa se muitas novidades no Grêmio. Raras contratações e saída de três titulares deixam gremistas apreensivos. Já no Inter, que saiu da segundona, as contratações abundam. O que gremistas e colorados podem esperar de 2018?

 

Sobre o autor

Antônio Frizzo

Antônio Frizzo

Economista e colunista do Jornal Semanário há 40 anos.
antoniofrizzo@italnet.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário