Segurança

Onda de assassinatos deve trazer novos reforços para a Polícia Civil de Bento

Ranieri Moriggi
Escrito por Ranieri Moriggi

Com 46 homicídios registrados em 2018, chegando a marca histórica de assassinatos, Bento Gonçalves deverá receber nos próximos dias um reforço na segurança pública com a chegada de novos policiais civis. Além do efetivo fixo, até o momento, a Capital do Vinho conta com oito policiais e a previsão é de que mais quatro homens sejam enviados para o município, totalizando 12 agentes que deverão ajudar na elucidação dos assassinatos. Em 2017, o número de mortes já havia batido os recordes, quando chegaram a 34.

A Polícia Civil afirma que as maioria dos homicídios está ligada com a disputa por territórios de facções criminosas que se instalaram na cidade nos últimos dois meses, quando o número de assassinatos cresceu. Em visita ao município, o secretaria estadual de Segurança Pública (SSP), Cezar Schirmer, confirmou que Bento está “fora da linha de queda” nos índices da violência no estado. Na época, Schirmer disse que ações de repressão seriam tomadas para estancar o problema. Em setembro, enviou para a cidade o reforço policial do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Porto Alegre e uma equipe da Força Gaúcha de Pronta Resposta, que ajudaram na condução da Operação Avante Dissolutio, que resultou, até o momento, na prisão de 80 pessoas, em sua maioria com envolvimento no tráfico de drogas.

Em nota, a SSP informou que a permanência do reforço será avaliada pela Brigada Militar e Polícia Civil enquanto julgarem necessário. “Será uma decisão técnica, baseada pela análise criminal executada pelas instituições”, explica o documento. Outra novidade divulgada pela secretaria é o ingresso de mil novos soldados. A expectativa é que a Serra recebe 90 alunos-soldados. Bento Gonçalves deverá receber 30 alunos.

Sobre o autor

Ranieri Moriggi

Ranieri Moriggi

geral3@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário