Andressa Borges

Necessidade básica

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

A autorrealização é a 7ª necessidade básica do ser humano, segundo a pirâmide de Maslow, conhecido pela teoria das necessidades humanas. Segundo ele, ela está no topo, é a copa da árvore mais alta e mais verde. Ele acreditava que a felicidade derivava não de comportamentos animais ou mecânicos, nem dos impulsos inconscientes que possuímos, mas sim do impulso para desenvolver nossa compreensão e sabedoria de nosso pleno potencial e capacidades.

Também acreditava que todos somos ultra resistentes à autorrealização. E concordo com ele, mas porque?

Existem listas enormes que falam sobre as características de quem se auto realiza. Essas pessoas conhecem e amam a si mesmas, são super conscientes, realistas, se preocupam com a natureza, possuem foco e objetivos e não desviam deles por nada.

Mas o que é exatamente autorrealização? É ter sucesso, fama e dinheiro?

Este termo se refere às experiências ótimas, onde a percepção é mais aguda e há uma perda da noção de tempo. Os sentimentos experimentados são muitas vezes de admiração, maravilha e até êxtase. Pode acontecer passivamente, ouvindo uma música ou contemplando uma obra de arte, embora geralmente surjam quando a pessoa está totalmente imersa em uma atividade na qual ela produza.

Talvez aí esteja uma resposta para a minha pergunta acima. Em primeiro lugar, não nos conhecemos direito. Não sabemos exatamente para onde estamos indo ou só pensamos nos bens materiais adquiridos ao longo desse caminho. Isso significa que não ficaremos realizados com a promoção no emprego se esta não vier com o dobro das rúpias e o nome gravado na calçada da fama.
Outro ponto é não ser sensível às maravilhas da natureza. Maslow já dizia que pode-se chegar ao pico da autorrealização ouvindo uma música, assistindo a um espetáculo, admirando uma obra de arte.

Entendo que autorrealização seja o combustível que nos mantém vivos e faz a diferença básica entre nós e os animais irracionais. É a felicidade que tanto buscamos, só precisamos entender que ela não é o fim do caminho, e sim o próprio caminho, porque essa busca nunca acaba. Sabendo disso, você pode achar ruim porque é uma busca eterna, ou pode achar ótimo porque temos infinitas possibilidades de estar sempre com a alma sorrindo. Que tipo de pessoa você é?

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário