Saúde

Mortes de crianças por gripe já passam de 40; vacinação termina nesta sexta-feira, 22

Da Redação
Escrito por Da Redação

Apesar de prorrogada por duas vezes, as crianças registram menor cobertura vacinal em dois meses de campanha. 3,6 milhões de menores de 5 anos ainda devem se vacinar contra a gripe

O Ministério da Saúde já registra 44 mortes de crianças com até cinco anos por complicações relacionadas à gripe. O número é mais que o dobro do mesmo período do ano passado, quando foram 14 óbitos, e acende um alerta para pais e responsáveis levarem os pequenos aos postos de vacinação. A campanha nacional contra a gripe termina nesta sexta-feira, 22. Até o momento, 3,6 milhões de crianças menores de cinco anos ainda não foram vacinadas. Este grupo prioritário é o que registra menor cobertura vacinal, com 67,7% das 12,6 milhões que devem receber a vacina. A partir da próxima semana, o Ministério da Saúde recomenda aos municípios que ainda tiverem doses disponíveis a ampliação da vacinação para crianças de cinco a nove anos de idade e aos adultos de 50 a 59 anos.

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, ressalta a importância de levar os menores de cinco anos aos postos de vacinação em todo o país. “É essencial que os pais levem seus filhos aos postos de saúde para receber a vacina e, assim, evitar as complicações do vírus. É uma forma de proteger as crianças e também o restante da população”, enfatiza o ministro.

No total, 54,4 milhões de pessoas devem ser vacinadas no país. Até esta quinta-feira (21), 45,8 milhões de pessoas em todo país foram vacinadas. Assim como as crianças de seis meses a cinco anos de idade, as gestantes também registram os menores índices de vacinação contra a gripe, com cobertura de apenas 71%. Já o público com maior cobertura da vacina contra a gripe é o de professores, com 98%, seguido pelas puérperas (96,2%), idosos (91%) e indígenas (90,5%). Entre os trabalhadores de saúde, a cobertura de vacinação está em 88,6%.

O Ministério da Saúde reforça a importância da proteção com a chegada do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe e orienta estados e municípios que continuem a ofertar a vacina para grupos prioritários, em especial as crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, público com maior risco de complicações para a doença.

A escolha dos grupos prioritários para a vacinação contra a gripe segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

O último boletim do Ministério da Saúde aponta que, até 16 de junho, foram registrados 3.122 casos de influenza em todo o país, com 535 óbitos. Do total, 1.885 casos e 351 óbitos foram por H1N1. Em relação ao vírus H3N2, foram registrados 635 casos e 97 óbitos. Além disso, foram 278 registros de influenza B, com 31 óbitos e os outros 324 de influenza A não subtipado, com 56 óbitos.

Entre as mortes em decorrência dos vírus da influenza, a mediana da idade foi de 54 anos de idade. A taxa de mortalidade por influenza no Brasil está em 0,26% para cada 100.000 habitantes. Das 535 pessoas que foram a óbito, 393 (73,5%) apresentaram, pelo menos, um fator de risco para complicação, com destaque para adultos maiores de 60 anos: cardiopatas, diabetes mellitus e pneumopatas. Esse público é considerado de risco para a doença, por isso a vacina contra a gripe é garantida gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS).

Fonte: Ministério da Saúde
Foto: Divulgação

Sobre o autor

Da Redação

Da Redação

redacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário