Economia

Mês de abril registra saldo negativo na criação de empregos em Bento Gonçalves

Ranieri Moriggi
Escrito por Ranieri Moriggi

Dos três municípios da região com mais de 30 mil habitantes, que são avaliados pelo Ministério do Trabalho, apenas a Capital do Vinho registrou queda na geração de emprego; Farroupilha e Garibaldi apresentaram saldo positivo no mês passado

Enquanto no país a geração de empregos em abril registrou aumento e record, na comparação com os resultados no mesmo período de anos anteriores, Bento sofreu queda na criação de novos postos de trabalho. É o que apontam os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Na Capital Nacional do Vinho, o mês de abril apresentou déficit de 17 vagas, somando admissões e demissões para o período. No entanto, em outros dois municípios da região, Farroupilha e Garibaldi, cujo cruzamento de dados também é realizado mensalmente, os números apontam para saldos positivos.

De acordo com o Caged, em Bento Gonçalves, foram criados no mês de abril 1.578 novos postos de trabalho contra 1.593 fechamentos. No entanto, no acumulado do ano, a cidade registra mais criações de emprego do que fechamentos: foram 7.194 vagas contra 6.321 demissões (saldo positivo de 873). Nos últimos 12 meses, o comparativo aponta para 17.350 admissões e 16.867 demissões (saldo positivo de 483).

No município de Garibaldi, os dados do Caged apontaram crescimento na criação de novos postos de trabalho no mês passado. Foram 617 admissões e 491 demissões, um saldo positivo de 126 vagas. No acumulado do ano o número também é positivo: 2.441 novas vagas contra 2.001 fechamentos (saldo de 440). Nos últimos 12 meses, a cidade criou 418 novos empregos (6.011 admissões e 5.593 desligamentos.

O resultado positivo também ocorreu em Farroupilha. Após meses apontando para queda no número de empregos criados, a cidade vem se recuperando mês a mês. É o que mostrou o relatório. Foram 816 vagas criadas e 788 postos fechados (saldo de 28). Já no acumulado do ano, o número chegou a 510 novos postos de trabalho. Foram 3.666 admissões contra 3.156 desligamentos. Ainda, em recuperação, no acumulado dos últimos 12 meses, o município segue com saldo negativo. Foram 9.093 novas vagas e 9.445 demissões (saldo de -352).

No relatório divulgado pelo Ministério do Trabalho, no Brasil, a criação de empregos para o mês de abril foi positiva, sendo puxada pelos atendimentos médicos, odontológicos e veterinários, com a abertura de 20.589 postos formais; seguido pelo comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico, com 13.023 vagas. Na indústria de transformação, a criação de empregos foi impulsionada pela indústria de produtos alimentícios e de bebidas (9.884 postos); pela indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria (7.680 postos) e pela indústria têxtil (1.845 postos).

Todas as regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em abril. O Sudeste liderou a abertura de vagas, com 81.106 postos, seguido pelo Nordeste (15.593 vagas) e pelo Centro-Oeste (15.240 vagas), influenciado pela safra. O Sul criou 14.570 postos, e o Norte registrou 3.092 vagas a mais no mês passado.

Na divisão por estados, 23 unidades da Federação geraram empregos e quatro demitiram mais do que contrataram. As maiores variações positivas no saldo de emprego ocorreram em São Paulo (abertura de 50.168 postos), em Minas Gerais (22.348), no Paraná (10.653) e na Bahia (10.093). Os estados que registraram o fechamento de vagas formais foram Alagoas (-4.692 postos), Rio Grande do Sul (-2.498), Rio Grande do Norte (-501) e Pará (-25).

Fonte: Redação e informações da Agência Brasil

 

Sobre o autor

Ranieri Moriggi

Ranieri Moriggi

geral3@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário