Opinião

Mentes Inquietas

Taise Agostini
Escrito por Taise Agostini

O assunto desatenção tem chamado muito a atenção de pais e educadores nos últimos tempos. Muitas crianças se apresentam “desatentas” durante as aulas e os professores têm dúvidas se pode haver ou não um transtorno de desatenção.

Porém, muitos fatores influenciam para que uma criança fique (e não seja) desatenta: não se alimentar diariamente pela manhã; não possuir quantidade de horas de sono necessária; possuir uma agenda com excesso de atividades na semana (informática, natação, aulas de idiomas).

Hoje já é de conhecimento de todos, que o brincar faz parte da infância, e todas as crianças precisam e devem possuir em sua rotina, horários para descansar e aprender brincando. Isso facilita não somente para a socialização da criança, mas como também, as brincadeiras desenvolvem as habilidades motoras e cognitivas, quando são desafiadas a terem soluções para situações de raciocínio lógico.

Sinais importantes a serem observados
O diagnóstico de um transtorno de desatenção pode levar anos para se dar, porém é importante destacar que a criança com 3, 4, ou 5 anos já começa a apresentar alguns sinais importantes. Veja alguns deles:
– Não conseguem permanecer muito tempo em brincadeiras
– Se desinteressando facilmente por brinquedos;
– Tem dificuldades para olhar no olho quando alguém está falando;
– Pode possuir alguns tiques motores devido a ansiedade intensa (como enrolar os cabelos, roer as unhas, cutucar-se).

Mais importante do que diagnosticar, é saber entender e trabalhar com o fator desatenção.

Taise Agostini

Mentes Inquietas

Taise Agostini
Escrito por Taise Agostini

O assunto desatenção tem chamado muito a atenção de pais e educadores nos últimos tempos. Muitas crianças se apresentam “desatentas” durante as aulas e os professores têm dúvidas se pode haver ou não um transtorno de desatenção.

Porém, muitos fatores influenciam para que uma criança fique (e não seja) desatenta: não se alimentar diariamente pela manhã; não possuir quantidade de horas de sono necessária; possuir uma agenda com excesso de atividades na semana (informática, natação, aulas de idiomas).

Hoje já é de conhecimento de todos, que o brincar faz parte da infância, e todas as crianças precisam e devem possuir em sua rotina, horários para descansar e aprender brincando. Isso facilita não somente para a socialização da criança, mas como também, as brincadeiras desenvolvem as habilidades motoras e cognitivas, quando são desafiadas a terem soluções para situações de raciocínio lógico.

Sinais importantes a serem observados
O diagnóstico de um transtorno de desatenção pode levar anos para se dar, porém é importante destacar que a criança com 3, 4, ou 5 anos já começa a apresentar alguns sinais importantes. Veja alguns deles:
– Não conseguem permanecer muito tempo em brincadeiras
– Se desinteressando facilmente por brinquedos;
– Tem dificuldades para olhar no olho quando alguém está falando;
– Pode possuir alguns tiques motores devido a ansiedade intensa (como enrolar os cabelos, roer as unhas, cutucar-se).

Mais importante do que diagnosticar, é saber entender e trabalhar com o fator desatenção.

Opinião

Mentes Inquietas

Da Redação
Escrito por Da Redação

O assunto desatenção tem chamado muito a atenção de pais e educadores nos últimos tempos. Muitas crianças se apresentam “desatentas” durante as aulas e os professores têm dúvidas se pode haver ou não um transtorno de desatenção.

Porém, muitos fatores influenciam para que uma criança fique (e não seja) desatenta: não se alimentar diariamente pela manhã; não possuir quantidade de horas de sono necessária; possuir uma agenda com excesso de atividades na semana (informática, natação, aulas de idiomas).

Hoje já é de conhecimento de todos, que o brincar faz parte da infância, e todas as crianças precisam e devem possuir em sua rotina, horários para descansar e aprender brincando. Isso facilita não somente para a socialização da criança, mas como também, as brincadeiras desenvolvem as habilidades motoras e cognitivas, quando são desafiadas a terem soluções para situações de raciocínio lógico.

Sinais importantes a serem observados
O diagnóstico de um transtorno de desatenção pode levar anos para se dar, porém é importante destacar que a criança com 3, 4, ou 5 anos já começa a apresentar alguns sinais importantes. Veja alguns deles:
– Não conseguem permanecer muito tempo em brincadeiras
– Se desinteressando facilmente por brinquedos;
– Tem dificuldades para olhar no olho quando alguém está falando;
– Pode possuir alguns tiques motores devido a ansiedade intensa (como enrolar os cabelos, roer as unhas, cutucar-se).

Mais importante do que diagnosticar, é saber entender e trabalhar com o fator desatenção.

Opinião

Mentes Inquietas

Taise Agostini
Escrito por Taise Agostini

O assunto desatenção tem chamado muito a atenção de pais e educadores nos últimos tempos. Muitas crianças se apresentam “desatentas” durante as aulas e os professores têm dúvidas se pode haver ou não um transtorno de desatenção.

Porém, muitos fatores influenciam para que uma criança fique (e não seja) desatenta: não se alimentar diariamente pela manhã; não possuir quantidade de horas de sono necessária; possuir uma agenda com excesso de atividades na semana (informática, natação, aulas de idiomas).

Hoje já é de conhecimento de todos, que o brincar faz parte da infância, e todas as crianças precisam e devem possuir em sua rotina, horários para descansar e aprender brincando. Isso facilita não somente para a socialização da criança, mas como também, as brincadeiras desenvolvem as habilidades motoras e cognitivas, quando são desafiadas a terem soluções para situações de raciocínio lógico.

Sinais importantes a serem observados
O diagnóstico de um transtorno de desatenção pode levar anos para se dar, porém é importante destacar que a criança com 3, 4, ou 5 anos já começa a apresentar alguns sinais importantes. Veja alguns deles:
– Não conseguem permanecer muito tempo em brincadeiras
– Se desinteressando facilmente por brinquedos;
– Tem dificuldades para olhar no olho quando alguém está falando;
– Pode possuir alguns tiques motores devido a ansiedade intensa (como enrolar os cabelos, roer as unhas, cutucar-se).

Mais importante do que diagnosticar, é saber entender e trabalhar com o fator desatenção.

Sobre o autor

Taise Agostini

Taise Agostini

Professora, pedagoga, pós graduada em neuropsicopedagogia e psicopedagogia clínica/institucional
taiseagostini@yahoo.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário