Editorial

Medida paliativa eficaz

Cristiano Migon
Escrito por Cristiano Migon

Qualquer política pública, para ser eficaz e efetiva, precisa contar com três pressupostos básicos, sem os quais está fadada ao fracasso: planejamento, investimento e capacidade operacional. Contudo, a sua implantação só consegue se tornar uma realidade se o componente investimento der condições para que o planejado possa se implantar na vida real das pessoas beneficiárias em potencial de um determinado programa.

Na área da segurança, clamor cotidiano da sociedade atormentada pela violência, é imperativo realizar investimentos que possam instrumentalizar as ações tanto investigativas quanto operacionais das polícias em relação ao crime organizado e aos delitos em geral. Embora sejamos sabedores que a matriz da desigualdade social é a principal vertente de onde emanam os principais tipos de crimes – reiterado por várias oportunidades neste espaço – também é verdade que sem um aparato de segurança eficiente e ágil fica difícil proporcionar às pessoas um ambiente mais seguro no dia a dia.

No caso específico de Bento Gonçalves, todos os indicadores de criminalidade apontavam, durante os primeiros quatro meses de 2018, para o fracasso de uma política de segurança pública absolutamente fragilizada pela diminuição drástica dos investimentos realizados pelo governo. Quando falamos em investimentos na área da segurança, não estamos nos referindo a recursos especialmente para a aquisição de viaturas, fardamentos, coletes, armas e munições, mas também para o chamamento de novos agentes para policiamento ostensivo.

Há 20 dias Bento não registra mortes violentas

E a confirmação da tese pode estar representada nos dados comparativos dos últimos dias, período que coincide com a chegada dos policiais temporários na cidade. Nos últimos 20 dias não foram registradas mortes violentas ou mesmo tentativas de homicídio, além do aumento considerável na sensação de segurança comunitária. É complicado afirmar que todo este cenário se dá apenas pela vinda dos novos agentes, mas, como dizem, contra fatos não há argumentos.

O oportuno é que a Capital do Vinho vive um raro momento de paz. Um período em que as facções que se instalaram nas periferias estão inertes – por mais que os órgãos de segurança não confirmem sua presença – e a polícia está visível em ruas e eventos. O que resta agora e torcer para que estes 20 agentes que reforçaram o policiamento permaneçam na cidade, ou é muito provável que bento voltará a amargar com a criminalidade.

Foto: Reprodução

Sobre o autor

Cristiano Migon

Cristiano Migon

editoria@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário