Cultura

Inspirações e arte em telas

Cleunice Pellenz
Escrito por Cleunice Pellenz

‘Impressões sobre Van Gogh’, de Miguel Arruda, pode ser conferida na Casa das Artes até o dia 31 de agosto

Até o dia 31 de agosto, os munícipes de Bento Gonçalves e da região podem conhecer a mostra ‘Impressões sobre Van Gogh’, de Miguel Arruda. O artista, ao criar suas obras, inspira-se em Vincent Van Gogh, importante pintor holandês, um dos maiores representantes da pintura pós-impressionista.

Arruda conta que sua história com Van Gogh iniciou em 1956, quando foi levado a um Museu em Chicago e encontrou uma das obras do artista. “Uma pintura original que me deixou arrepiado e emocionado. Cores maravilhosas e de um movimento impressionante. Os pinheiros balançavam com o vento e até podia ouvir o murmúrio dele e, naquele momento, me apaixonei, pois aquela pintura e outras tantas que vi naquele dia, ficaram em minha memória”, explica.

Desde aquele dia, ele sentia a necessidade de ver e visitar lugares inspiradores, como comprar livros com reproduções, visitações a museus e filmes. “Aos poucos essa paixão foi se transformando numa necessidade de fazer alguma coisa com toda aquela energia que as pinturas me passavam. Resolvi utilizar um pouco dos meus conhecimentos de pintura, adquiridos em aulas que tive na infância com Augusto Rodrigues, para desenvolver um trabalho de pintar aquilo que os quadros de Van Gogh me transmitiam”, salienta Arruda.

A partir disso, ele sentiu a necessidade de colocar no papel tudo que as pinturas daquele renomado artista a transmitiam e, a partir disso, suas obras nasceram. “Escolhia uma pintura, sentia sua energia, suas cores, seus movimentos, entrava dentro dela, como se estivesse vivendo aquele momento das pinceladas de Van Gogh e, então, iniciava minha pintura. Aquela energia toda ia passando para o que eu pintava”, frisa.

Aos poucos, as técnicas foram aprimoradas, o prazer em retratar e a paixão pelo que fazia foi ficando cada vez mais forte e presente em seu dia a dia. “Desenvolvi uma técnica com papel Canson, bico de pena e tinta acrílica e fui em frente. Cada quadro que pintava era como uma homenagem prestada ao maior gênio da pintura. O prazer que me proporcionava era infinito. Era como se a mão de Van Gogh me guiasse”, lembra.

Ele destaca que o trabalho é inspirado nas obras de Van Gogh e o que produz são as impressões que vê. “Tudo é completamente pessoal, profundamente influenciado pelo amor que sinto por esta obra tão incrível e a ‘interpretação’, a ‘impressão’ que cada uma das telas me transmite”, pontua. Suas obras também foram inspirações para outras pinturas. “Van Gogh inspirou-me até para criar desenhos em nanquim sobre ‘Árvores’, completa.

A mostra pode ser visitada no Salão Orlikowski, na Fundação Casa das Artes, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h45min e das 13h30min às 17h45min. A entrada é franca.

Sobre o autor

Cleunice Pellenz

Cleunice Pellenz

geral5@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário