Geral

Fila continua e chega a 500 animais

Ranieri Moriggi
Escrito por Ranieri Moriggi

Bichos cadastrados aguardam chamada para realizar procedimento cirúrgico; tempo de espera faz donos desistirem

Demora faz com que donos de animais desistam do processo. Foto: Reprodução

A castração de cães e gatos pelo programa gratuito da prefeitura está levando mais de 6 meses em Bento. Por conta do longo período de paralisação, já existe uma fila com aproximadamente 500 animais que deverão ser examinados e encaminhados para a realização do procedimento cirúrgico. O problema, que ainda está longe de ser solucionado preocupa donos e protetores de animais, que reclamam da dificuldade em conseguir vagas no serviço gratuito. A demora nas cirurgias de esterilização propicia o nascimento de novas ninhadas e ainda dificulta a adoção de animais abandonados. Setor responsável acredita que até o final do ano, a fila seja reduzida, porém, não zerada.

Segundo o setor de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde, até o momento foram castrados cerca de 900 animais. Conforme a responsável pelo setor, Analiz Zatera, a fila de espera, com cadastros até o mês de janeiro de 2017 foi zerada. Agora, a equipe encaminha animais cadastrados até o mês de agosto, priorizando aqueles que se enquadram na lei municipal nº 130/2017. “Estamos realizando os procedimentos em animais de rua; pessoas baixa renda (até dois salários mínimos) sem cadastro em programas sociais; animais sob responsabilidade de organizações de proteção, de defensores independentes, ou em lares temporários devidamente cadastrados junto à Vigilância Ambiental; proprietários que recebam benefícios sociais provenientes do Governo Federal, Estadual ou Municipal, devidamente comprovados”, explica. Conforme Analiz, os demais munícipes que não se enquadram nos critérios serão encaixados após atendimento dos prioritários, respectivamente nesta ordem.

No entanto, a demora em conseguir realizar os procedimentos fez com que Aparecida Ferreira da Silva, moradora do bairro Nossa Senhora da Saúde, desistisse. Ela critica a lentidão para agendamento e se diz preocupada com a situação. “Eu estou cuidando de mais de 15 gatos de rua, além dos cachorros que são deixados por aqui no bairro. Não estou mais na fila, pois há uma demora muito grande. A situação está incontrolável. Tenho conhecidos que agendaram e até agora seguem esperando”, critica. Aparecida, questiona a atuação do Poder Público. “Tem que tomar uma providência. Dependemos da Prefeitura, pois os animais são de rua e ninguém faz nada. Prometem que vão dar um jeito na situação, mas não fazem nada”, ressalta.

Até o momento foram investidos mais de R$ 64 mil em castrações. Foto: Reprodução

11De acordo com o secretário municipal da Saúde, Diogo Segabinazzi Siqueira, até o momento foram investidos mais de R$ 64 mil, o que segundo o titular da pasta, representam 100% do valor disponível para a finalidade. “O mais importante é que conseguimos manter o atendimento. Foi feito um planejamento no início do ano, onde previmos o quanto teríamos disponível para investir. Estamos mantendo e será mantido até o final do ano”, aponta. Conforme o setor, 500 animais estão cadastrados e expectativa é o encaminhamento de pelo menos mais 200 animais até dezembro. Em agosto, os vereadores aprovaram o projeto de lei que estabelece ordem de prioridade para a castração de animais. A lista coloca animais de rua como os primeiros a serem atendidos.

Sobre o autor

Ranieri Moriggi

Ranieri Moriggi

geral3@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário