Assunta De Paris

Fatos que marcaram a história bento-gonçalvense

Assunta De Paris
Escrito por Assunta De Paris

Em 1901 foi lançada a primeira pedra do edifício municipal, inaugurado no dia 20 de setembro de 1902.
Nos dias 28, 29 e 30 de janeiro de 1905 uma parte do povo se levantou contra a administração municipal devido à criação de um imposto de 48 mil réis (moeda da época) sobre os filhos casados que morava na mesma casa com os pais.

Em 1910 é fundado o jornal “Bento Gonçalves”, sendo colaboradores o Dr. Antônio Casagrande, Antônio Soares A. de Gusmão, Promotor Público, Dr Gino Battochio, Consul, Padre Acierno e Júlio Lorenzoni, proprietário da tipografia.

É fundada uma escola Prática superior, sob a direção do Dr. Antônio Casagrande. Foi inaugurado o telefone municipal. Neste mesmo ano, iniciou dois importantes estabelecimentos vinícolas: a Dreher e a Pasquali. Noa no de 1911, foram fundadas as cooperativas agrícolas iniciadas pelo Dr. Stefano Paternó. O Dr. Silvio Pettinelli é nomeado para representar o Brasil na exposição de Roma, na cidade de Turin. Foi inaugurada a linha telefônica para Monte Belo.

Em 1912, chega a Bento Gonçalves o benemérito médico Dr. Bartholomeu Tacchini. Neste mesmo ano foi inaugurada a filial do Banco Pelotense, sendo nomeado gerente o Dr Gino Battochio. Em 5 de outubro de 1914 foi o marco histórico. Uma reunião na Intendência Municipal, onde foi lido o memorial elaborado pelo Dr. Antônio Casagrande que foi apresentado ao Presidente do Estado (Governador), pedindo a estrada de ferro. Em 1915 foi criado o COlégio

Elementar (hoje escola Bento Gonçalves da Silva) sendo seu primeiro diretor o professor Otto Müller.
Em 10 de agosto de 1919 a estrada de ferro entre Bento Gonçalves, ligando à Capital Porto Alegre. Em agosto também a fundação do Clube Esportivo.

Em 1922 instalação da luz elétrica. Foram feitas reformas na igreja Santo Antônio.

Em 1924, 19 de novembro, missa no lote onde mais tarde surgiu o Hospital Dr Bartholomeu Tacchini.
Bento Gonçalves contava com alguns hotéis e os meios de transportes eram as charretes e os cavalos.
“As obras sobre a colonização Italiana no Rio Grande do Sul, foram reeditadas em 2000. Nos 125 anos da Imigração Italiana no RS – Patrocinadas pela SALTON VINHOS – Casa fundada em 1910, e sempre presente nos Eventos de Bento Gonçalves.”

Sobre o autor

Assunta De Paris

Assunta De Paris

Historiadora e colunista do Jornal Semanário há 30 anos.
redacao@jornalsemanario.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário