Geral

Falta de infraestrutura leva ciclistas de Bento para outros locais

Suellen Krieger
Escrito por Suellen Krieger

Para alguns é um hobby, para outros, um meio de transporte. A bicicleta é considerada uma forma saudável e ecologicamente correta de mobilidade urbana, mas independente da finalidade escolhida para uso, muitas vezes os ciclistas tornam-se reféns de infraestruturas inadequadas ou limitadas que as cidades oferecem. Em Bento Gonçalves, em 2014, foi inaugurada no bairro Planalto, a primeira – e até então única – ciclofaixa da cidade, compreendendo os trechos das ruas Xingu, Carlos Flores e Henry Hugo Dreher. Entretanto, a ciclofaixa é liberada apenas aos domingos e feriados, entre às 8h e 20h, obrigando os ciclistas a procurarem outros locais para pedalar.

O analista de custos, Márcio Secco, 33, sempre foi praticante ativo de exercícios físicos, mas por incentivo de outros ciclistas decidiu comprar sua bicicleta e conhecer melhor a atividade. “Tenho muitos amigos que pedalam e depois que comprei a minha bike, já nos primeiros trajetos eu me encantei pelo esporte”, conta.

Analista de custos, Márcio Secco

Secco acredita que a ciclovia é muito importante para quem está começando a pedalar ou não tem muito tempo de ir para locais com maiores distancias, além de destacar a falta de outras opções para pedalar na cidade. “Eu mesmo já usei muito a ciclovia, porém como existe apenas uma em Bento, deveria funcionar em mais dias da semana, ou então nos finais de tarde. Existem muitos ciclistas na cidade e já está mais do que na hora de ter um espaço para essas pessoas. Por exemplo, em Carlos Barbosa tem uma ciclovia muito interessante, exclusiva para bicicletas e sem a interferência de carros. Muitos ciclistas daqui fazem o trajeto de Garibaldi, Carlos Barbosa, onde o movimento é bem menor, e dá para admirar as paisagens da nossa região”, relata.

Embora o município esteja longe de ser considero como cidade modelo aos ciclistas, os Bento-gonçalvenses têm motivos para se orgulhar. Inaiara Belling, conhecida como Nana, trouxe para a cidade os títulos de Campeã da Copa Soul Sport Master A, de Farroupilha e o título de Campeã Sport Master A na 1° etapa do Gaúcho de Ciclismo, de Nova Petrópolis.

O título de Campeã da Copa Soul RS 2019 foi conquistado recentemente: dia 24 de fevereiro e tem gostinho de superação para a atleta, que lesionou um tendão no final do ano passado e precisou ficar parada por algum tempo. “Ano passado eu fiquei em 2° lugar na Copa Soul. Esse ano eu queria muito ganhar. Essa prova é muito difícil, é um circuito de 20 km e eu fiz duas voltas”, orgulha-se Inaiara.

Inaiara Belling, massoterapeuta

Nana conheceu e apaixonou-se pelo esporte em 2017, quando, por estimulo de uma conhecida, pedalou pelos municípios de Garibaldi e Carlos Barbosa. “Na época, eu consegui uma bicicleta emprestada, só para ver o que ia achar e eu gostei tanto, que no mesmo dia comprei a minha bike”, relembra.

Em relação à infraestrutura que Bento oferece, Nana compartilha da mesma opinião que a maioria dos ciclistas: faltam mais ciclovias e com funcionamento não apenas aos domingos. “Tenho que elogiar Bento, foi muito bom terem feito essa ciclofaixa, é muito melhor do que não ter nenhuma, já motiva a galera a pedalar ali, mas seria mais legal ainda começarem a pensar mais para frente, porque a galera está pedindo isso, têm muitos ciclistas, então é necessário seguir com a ideia, não dá para estagnar”, diz.

Inaiara costuma pedalar cerca de quatro vezes por semana, porém como muitos outros ciclistas, acaba indo para Carlos Barbosa. “Como a ciclovia de Bento é aberta somente aos domingos, eu fico sem local para pedalar durante a semana, então acabo andando muito no interior”, explica.

Intensificando os treinos para a competição que Cambará do Sul vai sediar, nos dias 6 e 7 de abril, o Sul Bike Race Canyon Camp, uma Maratona de Mountain Bike realizada em duplas, na região dos cânions, a massoterapeuta carrega um desejo: trazer um bom resultado e divulgar o nome de Bento Gonçalves.

O que diz a prefeitura

De acordo com o Secretário de Gestão Integrada e Mobilidade Urbana (SEGIMU), Gilberto da Rosa, no momento não há projetos de ampliação das ciclofaixas na cidade. “Sabemos que todas essas obras de ampliação dependem de recursos e nós temos em Bento a situação de relevo, de topografia, declives muito acentuados que em alguns trechos ficaria difícil de fazer uma ampliação de ciclofaixas”, explica.

Em relação às queixas dos ciclistas, quanto à restrição do uso da única ciclofaixa da cidade, na Avenida Planalto, o titular da pasta admite ser preciso mudar essa situação o mais rápido possível. “Essa demanda realmente existe e é bastante justa, precisamos liberar a ciclofaixa em outros dias e horários, nós vamos trabalhar para colocar isso em prática”, promete da Rosa.

Sobre o autor

Suellen Krieger

Suellen Krieger

Deixe um comentário