Andressa Borges

Faça o que digo, não o que faço

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

A hipocrisia anda ganhando estrondosa força. Já é sabido que as redes sociais chegam a tornar-se maléficas à saúde, visto que lá todos dirigem carrões, viajam três vezes ao ano, amam seus pais e beijam as testas de crianças doentes. Até que não seria uma vida ruim, se não limpassem a boca depois.

Apesar de ser um assunto sério, não tenho propriedade para falar sobre os perigos e a dependência que causam as redes, principalmente para os jovens. Mas posso falar sobre como sou extremamente feliz e triste ao mesmo tempo, por conhecer algumas pessoas, cara a cara. Sei que é bem contraditório, mas tentarei ser menos sarcástica possível.

Não sei se idolatrar é a palavra certa, mas é normal conhecermos uma pessoa, se identificar com ela e já considerar ‘pacas’. Quem nunca? Normalmente conhecemos a pessoa há pouco tempo ou com pouca intimidade, e carregamos uma imagem feita dela por outras pessoas (sociedade ou redes sociais). Isso influencia a enxergarmos essa pessoa como alguém puro, sem pecados – erro nosso aqui, para começar.

Ninguém é perfeito. Ninguém mostra seus problemas para o mundo e nem precisa fazer isso. Mas, em especial, essas pessoas, vivem em uma bolha chamada “só eu posso, só eu consigo”. É ótimo estar motivado, mas só quando você não se põe sozinho em um pedestal, por méritos de nada.

Falei que ia tentar ser menos sarcástica, não disse que ia conseguir.

Essas pessoas, que insistem em segurar o trofeu ultrapassado como escudo, cometem erros, deslizes e digamos que também (e porque não), falcatruas. Tudo em prol de nada, recheado de um monte de desculpas esfarrapadas.

Está tudo bem ser de verdade, sabe. Mas também não precisa “fingir” ser de verdade, porque até isso tenho que ver. Então, só seja. O problema nem é a forma como vivem, onde habitam, o que comem. O chato é a gente acabar, em algum momento difícil da vida, sendo julgado por essas pessoas, que na verdade fazem bem pior, mas NINGUÉM SABE NÉ.

_ Pausa para respirar no saco de papel do Dr. Chapatin.

Pode ser que essa minha irritação seja só falta de D3, mas é algo que me incomoda há algum tempo. Me incomoda o jeito que algumas pessoas só pensam em si mesmas – não mude isso, mude COMO você faz isso. Me incomoda o jeito de opinar sobre as coisas que o outro faz quando você também faz – só não opine ou não FAÇA a mesma coisa. Me incomoda quando você acha que comete erros e está tudo bem porque é a favor do seu propósito e acha que ele é o maior do mundo – sim, ele é para você, mas não pode ceifar todos os outros por isso.

Algumas coisas já acabaram, outras não vão vingar. Se insistir em algo está te custando muitas pessoas, então há grandes chances de você estar na contramão, e isso, não é nada vanguardista.

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário