Paulo Vicente Caleffi

Espolio

A placa do MERCOSUL custa R$ 250,00 e a anterior R$ 140,00.

O pretexto de fazer a placa MERCOSUL, ato conveniado entre os quatro países integrantes, era ter um sistema único para controle dos veículos, quanto a multas, impostos e coibir o roubo. Um chip seria agregado a placa para ser detectado quando da passagem em pontos de controle. A resolução 729 do CONTRAM foi publicada em março 2018 e o atual governo encontrou o pacote pronto. Na sua campanha política Bolsonaro prometeu cancelar o que Michel Temer assinou no apagar das luzes de seu mandato.

A nova placa perdeu alguns itens previstos no projeto original: lacre, substituído pelo QR Code; tarja superior em 3D; bandeira do Estado e o brasão do município nos quais o município foi registrado. Chip e sistema não existem. Ficou uma porcaria. Nem os guardas de trânsito conseguem gravar aquela confusão de números e letras.

Outro problema é que a tinta da placa some após o veículo ser lavado com SOLUPAM, produto muito utilizado em caminhões.
Pensem bem: quantos veículos brasileiros irão circular pelos países do MERCOSUL? Uma minoria porém todos pagarão a conta.

A frota brasileira de veículos chegou a 93 milhões de unidades em 2016 (pesquisa CNT). O espolio do povo é R$ 23.250.000.000,00.
É muito dinheiro jogado fora. Nosso dinheiro. Acorda Brasil!

Lembram de quando inventaram o tal “kit de segurança”? Todos tivemos que comprar uma bolsinha com esparadrapo, gaze e outras coisas para os primeiros socorros.
Não servia para nada e tudo foi parar no lixo. Gastamos à toa.

Quando inventaram que os caminhões deveriam trocar seus extintores por um tipo maior, o tipo novo nem sequer cabia nas cabines e deveria ficar no lado externo. Lembram? Pois eram roubados nos estacionamentos dos caminhões, não podiam ser utilizados pelos motoristas que ficavam presos nas ferragens e deu em nada. Voltaram atrás e quem gastou foi por nada.

O Ministério da Infraestrutura admite que pretende manter o novo sistema de identificação, ampliar seu uso e melhorar o nível de segurança e informações. Ministro: é brincadeira!
Sete Estados já adotaram a placa padrão. Um milhão de veículos já circulam com a nova placa. Faltam só outros 92 milhões de veículos. A implantação obrigatória por todos os Estados, que estava prevista para vigorar em dezembro de 2018, foi adiada para 30 de junho próximo.

Quem paga esta conta bilionária é o povo brasileiro. O governo alegou já ter gastado 35 milhões com a implantação da nova placa e seria motivo para não voltar atrás. Será que eles sabem fazer contas? Ainda é possível poupar bilhões. Ou estou errado?!?

Façam uma experiência: leiam apenas duas placas novas de veículos. Memorizem e tentem repetir números e letras. Difícil, né!

Vejam os veículos que visitam Bento Gonçalves. Com estas novas placas sabemos apenas que são do Brasil.

Já escrevi sobre isto nas colunas sociais e na mídia do transporte rodoviário de cargas. Não vou descansar É ESPÓLIO.

Que me perdoe quem está “ganhando” com estas novas placas. Pagarei R$ 750,00 pelos carros da família (um é de coleção, ano 1923). Parece pouco valor mas é ESPÓLIO. Sou cidadão que não precisa deste pedaço de lata que estão me impondo.

Sobre o autor

Paulo Vicente Caleffi

Paulo Vicente Caleffi

Empresário e cronista do Jornal Semanário.
redacao@jornalsemanario.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário