Editorial

Em favor do agricultor

Estima-se que até o ano de 2050 a população humana aumente mais de 30%. Nesse mesmo período, segundo projeções da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, o consumo de carne crescerá quase 73% e o de produtos derivados do leite, 58%. Por outro lado, a área de terra arável aumentará apenas 5% e os produtores agrícolas terão de lidar com os desafios trazidos pelas mudanças climáticas e por regulações ambientais cada vez mais rígidas.

O uso de tecnologias inovadoras na agricultura é fundamental para comportar esse cenário e, sem dúvida, a biotecnologia é uma ferramenta poderosa. Dados do mais recente relatório do Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA) mostram que os transgênicos, desde sua introdução, em 1996, deram importante contribuição para alcançar essa meta. Desde aquele ano, quando começaram os plantios de variedades transgênicas, a produção de grãos e fibras teve um incremento de 377 milhões de toneladas: se não fosse isso, seriam necessários 123 milhões de hectares adicionais para obter o mesmo desempenho.

A aplicação da tecnologia da informação no campo tem sido uma das peças-chave no agronegócio. As inovações mais recentes de TI chegam para ficar, por meio de sistemas e softwares de gestão que permitem um planejamento mais eficiente, controle de dados e análise de informações, tanto nas lavouras e granjas como nas empresas e cooperativas. Essa revolução tecnológica no campo, além de facilitar o armazenamento e cruzamento de informações, possibilita o diagnóstico de possíveis problemas e desperdícios que estejam em curso, melhorando a rentabilidade.

“A aplicação de tecnologia no campo tem sido peça-chave do agronegócio”

Como em qualquer empresa, a propriedade também necessita de um bom gerenciamento. A partir desta gestão eficiente, a tomada de decisões será mais precisa, baseada no histórico e nas análises feitas com o auxílio dos dados armazenados. Assim, o produtor passa a automatizar informações e mantê-las como base para acompanhar sua atividade. Sem essa automatização, dados relacionados ao dia a dia da função ficam perdidos em anotações feitas em pranchetas ou cadernos.

Na agricultura, essas ferramentas podem mapear a produtividade da lavoura, facilitando o controle das safras, com informações sobre o que foi plantado e colhido, auxiliando no planejamento. É importante ressaltar que o produtor precisa armazenar informações de diferentes épocas, separadamente. Se esses dados não forem analisados a cada momento e a cada safra, não haverá efetividade na gestão.

A precisão já está consolidada nos processos produtivos com tecnologias empregadas pelo produtor para auxiliar o diagnóstico de possíveis problemas na propriedade. O que precisa acontecer agora é uma precisão da gestão por parte do produtor rural do seu negócio, visto que aumentar a produção na mesma área, otimizar processos e evitar desperdícios são os desafios enfrentados no dia a dia da agropecuária.

Sobre o autor

Cristiano Migon

Cristiano Migon

editoria@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário