Andressa Borges

E na dúvida?

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

Eis a questão.

A gente ouve que, na dúvida, é para fazer o que nos faz feliz. E sim, está muito certo. Na dúvida, façamos o que nos deixa feliz! Não teria porque ser diferente, certo?
Como sempre, há alguns poréns, que a gente mesmo criou. O que nos faz feliz, no momento da dúvida, é o prazer a curto prazo, a satisfação momentânea, comer aquele doce, beber tomando antibiótico, gastar aquela nota de R$ 50. O que, teoricamente, não nos deixaria tão feliz, a médio ou longo prazo.

Esses são alguns dos momentos mais influenciadores que existem, eles deveriam até ter um perfil no Instagram. É literalmente o capiroto nos seus dois ouvidos querendo que você desvie do caminho. E será que é isso que vai nos fazer feliz? Sim! Por alguns minutos, horas ou no máximo, dias. E porque acho que isso acontece?

Porque não temos objetivos claros. Se soubéssemos exatamente onde queremos chegar e porque queremos chegar, as tentações não seriam chamadas de tentações. Não gastaríamos dinheiro comprando gaita sem saber tocar já que estamos economizando. Não colocaríamos em risco um relacionamento por um momento, já que amamos alguém. Não deixaríamos de sair com os amigos mesmo sabendo que não vamos comer a pizza. Afinal, tem buffet de salada!

Então aqui fica o questionamento: se a sua felicidade é normalmente fazer o contrário do que deseja para sua vida, é sempre passar por cima de metas que você mesmo se propôs a fazer para chegar onde você mais quer, sem pensar nas consequências dessa decisão precipitada que são cada vez mais drásticas criando transtornos financeiros, emocionais, sociais, familiares – tendo em vista que vamos crescendo e virando adultos, então, perdoe minhas palavras e pode parar de ler por aqui.

Não estou escrevendo isso porque tudo o que faço está escrito na Bíblia ou porque eu nunca decidi beber todas as cervejas do mundo em uma noite e ter um compromisso sério no outro dia. Imagina, jamais. Mas uma amiga me escreveu isso essa semana, e senti que não interpretei da forma de sempre. Então, escrevo para que possamos pensar um pouco mais, tentar descobrir o que é, nesse mundo sombrio, frio e violento, que faz nosso coração bater mais forte, que dá aquele frio na barriga, que nos faz sorrir sem perceber. Aquilo que chamamos de essência, de propósito, ou de missão, se achar melhor.

Alguns acham que só drogas ilícitas causam esses efeitos colaterais maravilhosos. Comprar um carro novo também causa. Baixar o percentual de gordura também. Ganhar um Louboutin do namorado também – aqui, reforçando, só fica a dica. Enfim, são inúmeras situações que deixam os futuros anciãos bem alegrinhos.

Mas, e na dúvida?
Na dúvida, faça o que te faz feliz!

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário