Denise Da Ré

Denise Da Ré

Denise Da Ré
Escrito por Denise Da Ré

Trinta e oito anos depois

Nascer velho e ir rejuvenescendo. Se lhe fosse dada a possibilidade, o ser humano escolheria essa dinâmica. Ao menos, é o que se ouve rotineiramente, nas filosofias de botequim.

Já para Hollywood, nada é impossível.  No filme “O Curioso Caso de Benjamin Button”, o personagem de Brad Pitt nasce com mais de oitenta anos, com todos os problemas decorrentes da idade, e vai remoçando até…??? Também estou curiosa para saber o final (as sinopses não revelam).

O tempo é implacável, tem fome voraz. Não perdoa nem gregos, nem troianos. As mudanças funcionais, que podem também ser resultado de defeitos genéticos, fatores do ambiente, doenças, sofrimentos, coisa e tal, ocorrem contínua e progressivamente.

Quando a gente se dá conta, a tal glândula pineal, que fabrica o hormônio melatonina, ficou “pinel”.  Com a escassez dessa substância, dá-se o desequilíbrio do organismo, com progressiva degeneração das funções físicas e, às vezes, mentais.  Então, os setenta e cinco trilhões de células, que deixaram de se reproduzir, dão bye-bye…

Nada animador. Mas “o que não tem remédio, remediado está”. O jeito é aproveitar o lado bom da idade madura, desde as pequenas coisas, como a preferência nas filas, até as grandes, que são muitas… várias… Tudo bem! Algumas. Um exemplo? Experimentar a alegria de se rever colegas e amigos depois de quase meio século.

Foi o que aconteceu nessa segunda-feira: um evento programado, um reencontro florido (no outono também florescem algumas espécies). Begônias, érikas, álissos, azaleias, gazânias, ixórias e hortênsias distribuíram sorrisos e cumprimentos, resgataram lembranças, compartilharam histórias e…  trocaram receitas (Cuidem-se, médicos!)

Descobrir a imagem antiga de cada um sob os novos traços e vincos surpreendeu. Reconhecer a essência, emocionou. Mais ainda, constatar que não se passou, apenas, pela educação. Algumas sementes germinaram. Prova disso foi o abraço de ex-alunos.

Mas, como canta Lulu Santos, “nada do que foi será/de novo do jeito que já foi um dia/tudo passa/tudo passará…/como uma onda do mar…/não adianta fugir/nem mentir/pra si mesmo agora/há tanta vida lá fora/aqui dentro sempre/como uma onda do mar”…

Sobre o autor

Denise Da Ré

Denise Da Ré

Professora, escritora e colunista do Jornal Semanário.
denisedarebg@gmail.com
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário