Geral

Cristo Rei: Uma trajetória de fé e religiosidade

Cleunice Pellenz
Escrito por Cleunice Pellenz

Criação da Paróquia completou 70 anos no dia 9 de janeiro e retrata a confiança e a união de um povo

 

Dia nove de janeiro de 1949. Foi nesta data que o decreto de criação da nova Paróquia Cristo Rei foi assinado por Dom José Baréa, então Bispo da Diocese de Caxias do Sul. Este momento foi decisivo para a caminhada de fé e religiosidade de uma localidade e que marca o início da trajetória de 70 anos de uma comunidade que, com muita dedicação, conquistou o sonho de ter um local para realizar suas orações. A história da Igreja Cristo Rei reafirma o compromisso de manter as suas raízes fortificadas e o anseio em continuar a construir o futuro em alicerces sólidos e baseados na confiança de um povo.

Tudo começou na década de 40, quando aproximadamente 700 famílias, moradoras do bairro Cidade Alta, sentiram a necessidade de construir um local para que pudessem orar. Por isso, uma comissão composta por cerca de 20 pessoas foi constituída, mais precisamente no dia 11 de janeiro de 1945, para determinar o espaço em que seria construída a edificação.

O terreno escolhido para a construção pertencia ao estado e ao município. Por isso, no dia 25 de abril de 1945, um ofício foi encaminhado ao Sr. interventor do estado, o Cel. Ernesto Dornelles, solicitando o terreno de propriedade da Viação Férrea para abrigar a futura Igreja Matriz. Em seguida, o interventor enviou um documento comprovando a cedência do terreno para a construção e o mesmo aconteceu por parte da prefeitura municipal, que doou a parte que lhe pertencia do espaço. Apesar do êxito na conquista, muito trabalho teria que ser feito, pois o local era um banhado com matagal e servia de pastagem para o gado. A partir disso, começou uma nova etapa para os munícipes daquela localidade.

Em 20 de abril de 1947, foi abençoada a pedra fundamental do Salão Paroquial que serviria, também, de igreja. Em 24 de outubro de 1948 o Salão Paroquial foi solenemente inaugurado.

Para a construção do templo, a comissão contou com a ajuda de uma equipe do Departamento de Estradas e Rodagens (DAER), a qual colocou as máquinas para a realização dos trabalhos. O início das escavações para o alicerce da nova igreja matriz, teve o trabalho gratuito dos colonos, foi em 5 de setembro de 1949. Para a aquisição do material e parte da mão-de-obra, era recolhido uma taxa mensal dos moradores da comunidade, inclusive dos que tinham menor poder aquisitivo e que ainda prestavam serviços aos domingos.

Depois da criação oficial da Paróquia, no dia 9 de janeiro de 1949, registrou-se o primeiro batizado, de gêmeos, no dia 11 de janeiro daquele mesmo ano. O primeiro enlace matrimonial foi em 15 de janeiro e o primeiro óbito em 27 de janeiro.

A construção

No dia 9 de janeiro de 1951 teve início a colocação dos tijolos sobre a base de pedra que já estava feita. O projeto da igreja, de Bernardo Sartori, de Guaporé, idealizou um monumento de fé, em estilo gótico-moderno. A responsabilidade técnica, assinando as plantas, foi assumida pelo então prefeito municipal de Garibaldi, engenheiro Heitor Mazzini.

O primeiro pároco foi o padre Rui Lorenzi, que permaneceu na comunidade durante 19 anos. Ele dedicou-se intensivamente na construção da igreja e fez parte da 1ª comissão da paróquia. Por S. Ex.a D. Benedito Zorzi, em 26 de julho de 1953 foram abençoados os sinos oferecidos por Ângelo Milani e Cia Ltda. São quatro exemplares de 1100, 750, 350 e 250 kg.

Contudo, por um longo período a edificação permaneceu inacabada, sem a torre, pois, na época, existia um campo de pouso nas proximidades. Apesar de não estar concluída, a igreja teve sua bênção e oficialmente inaugurada no dia 14 de novembro de 1954, feita pelo bispo diocesano D. Benedito Zorzi. Conforme publicação do Jornal do Povo no dia 20 de novembro daquele ano, cerca de cinco mil pessoas acompanharam as festividades inaugurais. “A esta altura, enquanto os sinos repicavam festivamente, adiantava-se em direção à igreja, o cortejo de seminaristas e sacerdotes. No final do cortejo vinha S. Excia. Revma. o Sr. Bispo Diocesano Dom Benedito Zorzi, revestido dos paramentos pontificiais, sob o pálio, conduzido pelos festeiros e rodeado pelas bandeiras das associações paroquiais”, afirmava a publicação.

Uma outra data significativa para a Paróquia Cristo Rei foi o dia 29 de março de 1970, que marca a posse do Revmo. Pe. Ernesto Sbrissa como seu vigário. O comando elétrico dos sinos da Igreja Matriz foi instalado em outubro daquele mesmo ano, quando também foi feita uma pintura na igreja.

Após 23 anos de espera, a torre foi finalmente concluída, sob a responsabilidade do engenheiro Renato Olinto Campos de Araújo, e foi entregue festivamente à comunidade no dia 26 de novembro de 1978.
Um dos momentos mais marcantes para a comunidade foi na década de 80, mais precisamente em dezembro, quando ocorreu um pequeno incêndio no interior da Igreja, publicado pelo Jornal Semanário na edição do dia 20/12/1980, que destacou a “…destruição um dos mais significativos patrimônios da cidade: um altar, dois vitrais, além da danificação da pintura interna da igreja”.

Durante toda a trajetória, muitas foram as festividades, celebrações, casamentos, batizados, envolvendo as dezenas de comunidades que fazem parte da Paróquia Cristo Rei. Da mesma forma, muitas foram os indivíduos que se doaram em prol da comunidade, sendo festeiros, voluntários, entre outros. Muitos também foram os párocos que ali estiveram presentes, auxiliando o povo e confraternizando.

Portanto, neste ano, para comemorar o jubilar dos 70 anos de criação da Paróquia, muitas atividades e iniciativas, bem como a 73ª Festa em Honra a Cristo Rei, lembrarão as sete décadas de existência da comunidade paroquial.

Sobre o autor

Cleunice Pellenz

Cleunice Pellenz

geral5@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário