Segurança

Corpo de Bombeiros realiza formatura

Da Redação
Escrito por Da Redação

Agentes realizaram capacitação teórica e prática no CT de Bento, para combate ao fogo em ambientes confinados

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Sul realizou, na sexta-feira, 4, a formatura de 17 instrutores e 27 operadores de combate ofensivo à incêndio. A atividade, que durou três semanas, teve coordenação da Academia de Bombeiro Militar e execução do Centro de Capacitação e Treinamento do 5º Batalhão de Bombeiros Militares, sediado na Capital do Vinho. A solenidade e as atividades práticas ocorreram no CT de Bento, localizado no bairro Salgado.

Última prova prática ocorreu na tarde de quinta-feira, 3 de maio. Foto: Nicholas Lyra

De acordo com o subcomandante do Corpo de Bombeiros de Bento, capitão Marcio Batista, a atividade contou com bombeiros de todo o Estado do Rio Grande do Sul. “Todas as regiões do Estado estão representadas nesse curso”, comentou.

Batista falou, ainda, sobre a importância da atividade para o Corpo de Bombeiros. De acordo com ele, são técnicas de local confinado que acontecem em todo o mundo, e que permite que, na prática, facilite o trabalho da instituição em situações de risco no dia a dia.

Bento recebeu, pela primeira vez, um curso de instrutores realizado na Serra Gaúcha. Para ele, a estrutura oferecida pelos Bombeiros na Capital do Vinho facilita o trabalho. “Isso permite que a gente faça o treinamento completo, com as técnicas e todos os aspectos teóricos”, explica.

Na quinta-feira, 3 de maio, foram realizadas as últimas provas práticas antes da formatura. Os agentes estavam dispostos em diferentes cenários, que simulavam eventos ocorridos em edificações confinadas.

Servidores participaram de treinamentos em diferentes cenários. Foto: Nicholas Lyra

O curso de instrutores tem duração de três semanas, e teve início em 16 de abril. No total, foram 120 horas/aula. Já o curso de operadores teve duração de uma semana, com início em 30 de maio, com 40 horas/aula de atividades.
As técnicas ministradas tiveram início na década de 80, na Suécia. Conforme o Corpo de Bombeiros, representam a doutrina mais moderna no controle de sinistros em edificações limitadas por teto e paredes. O principal objetivo da técnica é otimizar o uso da água e reduzir os danos no que não foi atingido pelas chamas.

Com mais essa atividade de ensino realizada, a Academia de Bombeiro Militar já formou 65 instrutores e 91 operadores com as técnicas apresentadas, além da inserção da temática na disciplina de combate a incêndio do curso de sargentos e de soldados.

Sobre o autor

Da Redação

Da Redação

redacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário