Andressa Borges

Beleza na vitrine

Andressa Borges
Escrito por Andressa Borges

A essência da beleza de alguém não está exatamente na rinoplastia, no abdômen definido ou na cor dos seus olhos. Não está na cintura marcada nem no bumbum arrebitado. Não está no cabelo milimetricamente penteado nem no valor de suas roupas de marca. Mas são detalhes que sim, podem fazer a diferença de vários aspectos.

Concordo, que há algum tempo a primeira impressão tornou-se quase indispensável, e com a ajuda da moda virou parte da essência de uma pessoa, se ela souber o que isso significa. Não são as gorduras localizadas que a impedem de ser amadas, bonitas e interessantes, mas sim, a autoestima delas. E elas nem sabem disso. São detalhes que passam despercebido aos olhos de quem quer sorver aquela energia boa que sai da alma.

Visto isso, o seu jeito de andar, de vestir aquela calça mais curta, de usar o cabelo para um lado só, é sim, parte de sua beleza. Afinal, tudo o que compramos, usamos, vestimos, é algo que gostamos e admiramos e, consequentemente, externaliza um pouco do que somos.

Mas o que mais vemos por aí são pessoas esteticamente lindas, físico em dia, relógios rechonchudos e uma série de camadas de roupas caras. Tudo isso envolvendo um cérebro muito mal utilizado.
Uma pessoa é bonita quando é simpática, quando tem atitudes maduras e quando conta piadas sem graça com o maior entusiasmo. Quando sorri sincera e quando olha para você tentando decifrar o que se passa na sua mente. Quando te observa tentando gravar seus movimentos e torná-los eternos.

Alguém é bonito quando se cuida, quando preza seus interesses de forma admirável. Cometendo erros, mas lá está, tentando novamente sem cometer os mesmos.

Felicidade é beleza. Ela se esvai em atitudes, sorrisos, motivação. Querer e lutar por coisas maiores te deixa bonito. Ser feliz com pequenas coisas te deixa lindo.

É também o caráter, bom humor e inteligência que a beleza externaliza. É o jeito que uma pessoa trata a outra, quando não se importa só com o próprio prazer e necessidades. E mais ainda, quando o prazer do outro se torna parte do seu. É quando alguém é feliz de verdade vendo o outro ser feliz.

A beleza prende sua atenção nos primeiros minutos. O que você veste, como se comporta diz sim, muito sobre você. Após isso, é preciso algo mais, pois ninguém fica muito tempo em frente a uma vitrine conceitual: ou entra, ou passa reto.

A beleza é bem-vinda, agrada aos olhos. Não precisa vestir-se mal ou não fazer a sobrancelha em sinal de rebeldia ou de humildade. É possível malhar corpo e cérebro, e ter empatia com o mundo, se assim desejar.

Sobre o autor

Andressa Borges

Andressa Borges

diagramacao@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário