Segurança

Assassinatos no Borgo: Polícia pode encaminhar inquérito como feminicídio

Cristiano Migon
Escrito por Cristiano Migon

Mãe e filha teriam sido mortas a tiros por ex-companheiro na terça, 26

O crime que atemorizou a comunidade bento-gonçalvense no fim da tarde de terça-feira, 26, por ter sido efetuado em plena luz do dia, pode se tornar o primeiro caso de crime de ódio baseado no gênero registrado na cidade no ano. De acordo com a Polícia Civil, o inquérito que investiga o assassinato de Flávia de Oliveira Baltazzen, 22 anos e Juceli de Oliveira, de 38 anos, mãe e filha, pode ser remetido à Promotoria Criminal como duplo feminicídio.

De acordo com o laudo expedido pelo Instituto Geral de Perícia (IGP), a mãe foi executada com um tiro, enquanto a filha, ex-companheira do principal suspeito das execuções, foi alvejada por três disparos. O suspeito de autoria do crime foi preso em flagrante poucos minutos após a execução das vítimas. Alisson Klaus de Oliveira, 21 anos, foi detido por policiais do Pelotão de Operações Especiais da Brigada Militar enquanto tentava escapara em uma motocicleta, no bairro Progresso. O indivíduo ainda foi acusado de outros crimes como roubo de veículo, após ser reconhecido por uma vítima com uma motocicleta roubada, e porte ilegal de arma de fogo, com numeração raspada.

A investigação segue a encargo da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). No entanto, a titular da pasta, del. Deise Salton Brancher Ruschel, não adiantou a possível motivação do crime. De acordo com o Código Penal Brasileiro, o feminicídio é considerado crime hediondo, tendo pena prevista entre 12 e 30 anos de detenção. Atualmente, as circunstâncias previstas como agravante são meio cruel, motivo fútil, motivo torpe, impossibilidade de defesa da vítima e quando é praticado para acobertar outro crime.

Conforme os dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP), Bento Gonçalves registrou cinco feminicídios nos últimos sete anos, sendo o primeiro registrado em 2012, outros três em 2013 e um em 2017. Com o possível duplo feminicídio, Bento Gonçalves registra 25 assassinatos somente em 2018. O último caso havia sido registrado no dia 24 de maio, após o encontro de um cadáver em uma propriedade da Linha Zemith, interior do município.

Sobre o autor

Cristiano Migon

Cristiano Migon

editoria@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário