Editorial

A festa de todas as cores e amores

Cristiano Migon
Escrito por Cristiano Migon

De um lado, alegorias suntuosas, fantasias repletas de brilho e luxo e celebridades instaladas em disputadíssimos camarotes. De outro, subúrbios decorados com confete e serpentinas, sprays de espuma e a simplicidade de pessoas de todas as camadas sociais que tomam ruas e praças nesta época do ano. O que vem primeiro à cabeça quando se fala em Carnaval brasileiro?

Todos nós conhecemos e sabemos da importância da festa para a cultura nacional. Mundialmente conhecido como o país do Carnaval, o Brasil tem uma diversidade de eventos e ritmos que se espalham por quase todos os estados e fazem deste um dos feriados mais impactantes, responsável por movimentar boa parte da economia em setores como turismo e negócios, influenciando positivamente no cenário econômico geral do país pelo resto do ano.

Uma pesquisa realizada no Rio de Janeiro, após o carnaval de 2018, apontou que 1,1 milhão de turistas passaram pela cidade no período de Momo. A festa movimentou cerca de R$ 3 bilhões na economia da cidade. Ainda segundo o estudo, 94% dos turistas estrangeiros disseram que voltariam à cidade, 17,4% pretendiam retornar no mesmo ano e 91,9% recomendariam a visita. Ao todo, no ano passado as atividades turísticas ligadas ao carnaval movimentaram cerca de R$ 5,8 bilhões. Vale lembrar que, para oferecer um evento grandioso, as escolas de samba de São Paulo ou do Rio de Janeiro, e os blocos de carnaval, sejam de Recife, Salvador ou de outras cidades, começam a trabalhar com meses de antecedência.

É justamente nessa miscelânea de músicas, cantos e danças que reside a importância do Carnaval brasileiro

Um negócio que no fim do século passado tinha como referência apenas o Rio de Janeiro, tomou grandes proporções e hoje, o Carnaval move as economias das principais cidades brasileiras, tanto das capitais como dos municípios. Esse segmento funciona como uma grande empresa, empregando várias pessoas – da confecção da fantasia ao gerenciamento e organização da festa –, gerando lucro e renda para várias famílias.

A festa carnavalesca é um dos eventos que melhor traduz a riqueza e a multiplicidade das manifestações culturais do Brasil. Ao mesmo tempo em que o feriado mais aguardado e comemorado pela maioria do povo apresenta uma tendência cada vez mais clara de espetacularização — marcada pela competição e disputa no desfile das escolas de samba —, ele também conserva traços de festa popular, com o ressurgimento de blocos, bandas, grupos de bate-bolas, afoxés, bailes carnavalescos de clubes e bailes gays.

É justamente nessa miscelânea de cores, músicas, cantos e danças que reside a importância — sociocultural, econômica, política, artística e histórica — do Carnaval para os brasileiros. Esse é o mistério que cerca a nossa grande festa: a soma da sensualidade de rainhas, o suor de ritmistas e a grandiosidade plástica de alegorias, mas também o mar de multidões que toma conta das ruas, dos coretos dos bairros ainda existentes e dos bailes que atravessam as madrugadas, para tudo ultrapassar – sempre – a Quarta-feira de Cinzas.

Sobre o autor

Cristiano Migon

Cristiano Migon

editoria@jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário