Assunta De Paris

Imigração italiana no RS

“Descubra tuas origens… vivifica tuas raízes… cada um de nós pode ser farol da civilização e estimular o progresso do mundo” (João Paulo II, em Santiago de Compostela, em 09-11-1982).

Em 24 de dezembro de 1875, chegaram os primeiros moradores da Colônia Dona Isabel (hoje Bento Gonçalves). De acordo com registro no Fundo Documental, Imigração, Terras e Colonização, que se instalaram na esplanada (hoje Praça Pe. Rui Lorenzi, em frente a Igreja Cristo Rei – Bairro Cidade Alta.

A história e a cultura da imigração se expressam e ficam registradas na forma de falar, de sentir, de se comportar, de trabalhar, de viver em uma civilização singular que ultrapassaram as fronteiras da região colonial e sse espalharam em todo o Estado do Rio Grande do Sul e do Brasil. Os visitantes buscam a História e a Cultura de um povo que construiu a sua própria civilização.

Eles vieram para construírem os seus sonhos e com muita fé e vontade de trabalhar.

Na Itália eram trabalhadores pobres que partiam rumo à América, fugindo da fome, da miséria, das doenças, dos baixos salários, do alto aluguel da terra. No século 19, a Itália passou por várias transformações. Os camponeses foram expulsos da terra. A indústria mostrou-se incapaz de absorver a mão de obra disponível. Assim, os italianos foram obrigados a buscar, em outros países, as condições de vida que sua pátria lhe negava.

Ao chegarem no Rio de Janeiro, eram alojados na casa dos imigrantes, após transportados em vapores para Porto Alegre, numa viagem de dez ou mais dias. Na capital os alojamentos eram em prédios precários e dormiam nas ruas e praças próximas. De Porto Alegre seguiam em pequenas embarcações para São João do Monte Negro (hoje Montenegro).

A imigração italiana para o Rio Grande do Sul foi iniciativa do Governo Imperial Brasileiro. O movimento tinha como objetivo “importar mão de obra” européia e vender as terras devolutas do Império, visando aumentar a população e principalmente produzir alimentos.

O estado do Rio Grande do Sul, de 1875 a 1914, recebeu mais de 80 mil imigrantes, provenientes do Vêneto, Lombardia e do Tirol, atraídos no Novo Mundo pelo sonho da terra.

OBS: Quero parabenizar a Escola Estadual Mestre Santa Bárbara, na pessoa da professora DANIELA, pelo excelente trabalho com os alunos do Ensino Médio, com o resgate, pesquisa e o Ensino da História da Imigração e a Evolução da linha do tempo do povoamento do nosso município. Parabéns professora e alunos.

Sobre o autor

Assunta De Paris

Assunta De Paris

Historiadora e colunista do Jornal Semanário há 30 anos.
redacao@jornalsemanario.com.br
www.jornalsemanario.com.br

Deixe um comentário